11 Benefícios do Zinco – Para que serve e suas fontes

0
68

O zinco é um dos sais minerais cujos benefícios são mais desconhecidos pela população em geral. De facto, as necessidades humanas de zinco são baixíssimas, mas mesmo uma deficiência pequena pode ser uma catástrofe para a saúde em geral. Esse elemento regula inúmeras funções corporais, de modo que a sua falta provoca uma série de problemas que, em geral, são atribuídos a outras causas.

As funções do zinco não colaboram apenas para a boa saúde em geral, mas também para a saúde reprodutiva e para a fertilidade de homens e mulheres. Além disso, há inúmeros benefícios do zinco para a boa forma, sobretudo porque níveis adequados de zinco favorecem o emagrecimento e o ganho de massa muscular.

Selecionamos onze benefícios do zinco para a saúde e a boa forma, para que assim possa entender para que serve este mineral no nosso organismo e procurar fontes saudáveis do mesmo.

1. Enzimas

A influência do zinco para a saúde humana é tão generalizada que, em geral, é difícil saber por onde começar. Os níveis de zinco regulam, por exemplo, o funcionamento de mais de trezentas enzimas importantes no corpo humano, de modo que se percebe rapidamente a extensão de sua importância.

As enzimas são substâncias que facilitam ou até mesmo possibilitam inúmeras reações químicas no corpo humano, concentradas sobretudo na digestão e no metabolismo. O funcionamento adequado das enzimas está amplamente relacionado à perda de peso e à saúde do sistema digestivo, fatores que são, portanto, benefícios do zinco para a nossa saúde.

2. Prevenção de Doenças Crónicas

Talvez a mais importante das funções do zinco seja a sua colaboração para a reprodução saudável das células, que beneficia o funcionamento de todos os sistemas do corpo e, de modo extremamente significativo, ajuda a prevenir todos os tipos de cancro.

O cancro, juntamente com outras doenças crónicas e degenerativas, é também evitado pelas funções antioxidantes do zinco. O zinco possui a capacidade de neutralizar os efeitos dos radicais livres, substâncias responsáveis por danificar inúmeros tecidos do corpo humano e, assim, provocar uma série de doenças.

3. Maior Imunidade

Bons níveis de zinco são necessários para o funcionamento adequado do sistema imunológico. Ao garantir a saúde das células, o zinco estimula o sistema imunológico num dos seus componentes mais importantes: em virtude da presença desse mineral, o número de linfócitos T é aumentado, tornando o sistema imunológico mais potente.

4. Prevenção contra Doenças Cardiovasculares

O sistema circulatório também é contemplado com os benefícios do zinco: na presença de bons níveis de zinco, as células do endotélio (isto é, o tecido que reveste os vasos sanguíneos) são mantidas saudáveis e em bom funcionamento. Isso evita inflamações e sobretudo o acumular de colesterol, de modo que o risco de doenças cardiovasculares reduz-se significativamente.

5. Regulação do Sistema Endócrino

O sistema hormonal é também amplamente dependente dos níveis de zinco. Um dos mais significativos benefícios do zinco dá-se sobre a sensibilidade do corpo à insulina, de modo que esse mineral é de grande importância para evitar e para tratar a diabetes.

A glândula tireoide é outra componente do sistema hormonal que é beneficiada pelas funções do zinco. Os níveis de zinco asseguram que a glândula seja corretamente estimulada. A importância central da tireoide no organismo faz com que esse benefício se propague em cadeia.

6. Saúde Mental e Nervosa

Os benefícios do zinco abrangem também o sistema nervoso. Como o revestimento das células nervosas é feito por gorduras cujas sínteses dependem do zinco, esse elemento é simplesmente essencial para o funcionamento e para a comunicação entre os neurónios.

Esse efeito faz do zinco um excelente meio de promover uma boa memória e o aprendizado, combatendo doenças como o Mal de Alzheimer e o Transtorno do Deficit de Atenção e Hiperatividade (ADHD). O zinco promove o balanço adequado entre o sono e a vigília, além de promover a síntese da Dopamina e da Serotonina, cujos baixos níveis são associados à depressão.

Além disso, o paladar e o olfato têm o seu bom funcionamento auxiliado pelo zinco.

7. Combate aos Sinais do Envelhecimento

Quando se trata de beleza, o zinco exerce uma poderosa influência sobre a boa aparência da pele e dos cabelos, evitando males como a acne e retardando o aparecimento dos sinais do envelhecimento. O processo de envelhecimento também é retardado nos olhos, de modo que a degradação da visão acontece bem mais lentamente caso haja bons níveis de zinco.

8. Saúde Masculina

Os homens são especialmente dependentes de níveis adequados de zinco nos seus corpos. Especialmente a próstata, vê-se prejudicada caso os níveis de zinco sejam insuficientes, de modo que as suas funções não são adequadamente cumpridas. Além disso, o zinco diminui dramaticamente as hipóteses de cancro na próstata.

A produção da testosterona também é dependente de níveis significativos de zinco, tanto direta como indiretamente, através do estímulo à glândula tireoide. O mau funcionamento da próstata, bem como os baixos níveis de testosterona, conduzem a uma diminuição da libido e da fertilidade.

A fertilidade ainda é influenciada pelo zinco na medida em que esse mineral favorece a mobilidade dos espermatozoides, cuja deficiência é a maior causa da infertilidade masculina. Especialmente relevante para os homens, é o papel do zinco na saúde dos cabelos, de modo que o zinco pode evitar a calvície que atinge muitos deles.

9. Saúde Feminina

Apesar de precisar de menos zinco que os homens, as mulheres também são muito dependentes do zinco. A produção dos óvulos requer a presença de zinco, de modo que esse mineral assegura a fertilidade feminina, bem como bons níveis de libido.

Os hormónios estrogénio e progesterona também têm o seu funcionamento beneficiado pela presença do zinco, de modo que a falta desse mineral prejudica a saúde feminina de modo intenso, podendo facilitar a ocorrência de cancro da mama.

Além disso, o zinco é associado à densidade óssea, de modo que evita a osteoporose que afeta tantas mulheres.

10. Perda de Peso

Uma vez que um dos benefícios do zinco é o aumento da sensibilidade à insulina, esse mineral pode ser de grande ajuda na perda de peso. Quando o corpo se torna mais sensível à insulina, há uma tendência à diminuição da produção desse hormónio. A ajuda na perda de peso dá-se em virtude do papel da insulina no estímular ao acumulo de gordura, que se vê assim reduzido.

A função do zinco no estímulo da tireoide também é importantíssima, uma vez que os hormónios dessa glândula regulam a velocidade do metabolismo. Bons níveis de zinco aceleram o metabolismo, favorecendo a queima de calorias.

Além disso, mais um dos benefícios do zinco é contribuir para a diminuição da ingestão de calorias ao ajustar o paladar, de modo que comidas de sabor intenso (que geralmente contêm grandes concentrações de gordura e de açúcar) passam a não ser tão desejadas como antes.

11. Ganho de Massa Muscular

O Zinco é de grande importância para a reprodução e para o reparo de células danificadas, de modo que os benefícios do zinco sobre o crescimento muscular após o treino de hipertrofia, são significativos. Além disso, o crescimento muscular também é influenciado positivamente por bons níveis de testosterona, que são beneficiados pela concentração adequada de zinco.

Como antioxidante, o zinco protege ainda os músculos dos radicais livres após o treino, favorecendo uma recuperação mais rápida e completa dos músculos.

Efeitos da Falta de Zinco

A deficiência de zinco é algo muito comum na população mundial. Em geral, esse problema é causado por uma dieta inadequada, e mais raramente por outros problemas da saúde. Como os benefícios do zinco são extremamente amplos, a sua deficiência pode provocar o mal funcionamento de diversos sistemas, cujos problemas são geralmente atribuídos a outras causas.

Os sinais mais notáveis da deficiência de zinco são a perda do apetite e a perda ou redução da sensibilidade do paladar. Como o zinco se encontra em altas concentrações nos glóbulos vermelhos, a sua falta causa um quadro progressivo de anemia.

Há, ainda, um severo prejuízo no funcionamento do sistema imunológico, aumentando o risco de contrair doenças infecciosas. O risco de doenças crónicas e degenerativas também torna-se maior, sobretudo quando se trata de cancro.

Uma vez que o estímulo à glândula tireoide passa a ser insuficiente, desenvolve-se um quadro de hipotireoidismo, doença que desacelera o metabolismo e provoca, em geral, a obesidade.

Tanto nas mulheres como nos homens, verifica-se diminuições na fertilidade e na libido, além da perda de cabelos e em muitos casos, o desenvolvimento da calvície. Em crianças e adolescentes, o crescimento torna-se lento e até mesmo insuficiente.

Problemas cognitivos desenvolvem-se em virtude da deficiência do zinco, que pode desencadear um quadro de Transtorno do Deficit de Atenção e Hiperatividade (ADHD) nas crianças, ou de Mal de Alzheimer nos idosos. Todas as faixas etárias, porém, estão sujeitas ao papel da falta do zinco no desenvolvimento da depressão, uma doença extremamente séria que afeta números cada vez maiores de pessoas em todo o mundo.

Que quantidade de Zinco é Suficiente?

As quantidades diárias necessárias de zinco variam conforme a idade e o sexo, além de outros fatores. Enquanto as crianças precisam de 10 mg por dia e as mulheres adultas de 12 mg por dia, a dose diária necessária para os homens adultos é de 15 mg. As mulheres têm as suas necessidades diárias aumentadas para 15 mg na gestação, e para 16 mg na lactação.

Acredita-se que a necessidade do zinco aumenta com o envelhecimento, para evitar as frequentes inflamações e para proteger o sistema cardiovascular. Dessa forma, a necessidade diária do zinco pode aumentar consideravelmente ao longo da vida.

Onde encontrar o Zinco

Muitas pessoas não sabem onde encontrar o zinco, mas apesar de não tão comuns, as fontes naturais do mineral fazem parte da dieta da maior parte das pessoas de alguma forma. Fontes extremamente ricas em zinco são os frutos do mar como as ostras e lagostas, mas elevados níveis são também encontrados nas carnes, sobretudo nas vermelhas.

Além disso, a gema dos ovos e os laticínios também fornecem níveis consideráveis de zinco, seguidos por alimentos com concentrações menores do mineral, como os feijões, os amendoins e amêndoas, e o chocolate preto.

Suplementação de Zinco

A suplementação de zinco não é necessária se os níveis recomendados puderem ser obtidos através da alimentação, o que é plenamente possível para quase todas as pessoas. Há grupos, porém, que podem beneficiar muito com a suplementação. Os vegetarianos e veganos, por exemplo, têm acesso a fontes limitadas de zinco, de modo que a suplementação pode ser necessária, caso as suas dietas não sejam bem planeadas.

Mais dramaticamente, porém, precisam da suplementação as pessoas com quaisquer doenças que dificultem a absorção do zinco ou de sais minerais em geral. Pessoas que precisam de uma concentração maior de zinco, como grávidas, lactantes e idosos, também podem beneficiar da suplementação.

A dose do suplemento deve, porém, ser muito bem calculada. Recomenda-se a consulta a um médico, a um nutricionista, para evitar os efeitos negativos de uma overdose do mineral.

Overdose de Zinco

Uma overdose de zinco pode provocar muitos problemas, e pode mesmo comprometer a saúde das áreas reguladas por esse mineral. Além disso, excessivas doses de zinco são associadas a náuseas, vómitos, perda de apetite e dor de estômago, além de dor de cabeça e diarreia.

O consumo excessivo pode ainda prejudicar a absorção de outros nutrientes essenciais, como o cobre e o ferro, de modo que os benefícios do zinco obtidos com altos níveis, podem provocar prejuízos pela falta de outros minerais.

 

 

Deixar Resposta