Auriol Dongno volta a bater recorde nacional do peso

0
431

A sportinguista Auriol Dongmo, atleta de origem camaronesa e que se naturalizou em outubro passado, voltou a bater o recorde nacional do lançamento do peso, ao conseguir 18,82 m numa prova de preparação no Centro Nacional de Lançamentos de Leiria, que marcou a reabertura da época depois da paragem de três meses imposta pelo Covid-19. Dongmo, que tinha como melhor 18,37, marca que fez duas vezes, a primeira em 2017 (recorde dos Camarões) e a segunda em fevereiro passado, em pista coberta (recorde de Portugal), conseguiu agora os 18,82 logo no 1º ensaio, voltando a superar o anterior recorde no 4º ensaio, com 18,61. A sua série: 18,82-17,73-17,97-18,61-nulo-nulo.

Este inverno, em pista coberta, Auriol Dongmo conseguiu bater por três vezes o recorde nacional que estava na posse de Jéssica Inchude, com 17,54. Fez sucessivamente 18,02, 18,31 e 18,37. Antes de Jéssica Inchude, atleta com dupla nacionalidade (foi guineense até final de 2015) mas já nascida em Portugal, o recorde esteve 28 anos (1990-2018) na posse de Teresa Machado, que o melhorou de 16,20 de Adília Silvério em 1976 até 17,18, em nada menos de 14 ocasiões.

Esta marca de Auriol Dongmo (18,82) coloca-a como sexta do ano a nível mundial (2ª europeia) contando com as marcas de pista coberta (realizaram-se muito poucas provas de ar livre até ao momento). Lidera a chinesa Lijiao Gong, com 19,70, e a melhor europeia é a bielorrussa Aliona Dubitskaya, com 18,85, apenas mais três centímetros que a agora portuguesa.

Provas em Lisboa

Entretanto, em Lisboa, foram apenas 29 os atletas que compareceram nas Provas de Preparação com que a Associação de Lisboa reabriu desde já (e fez bem) a época. Na pista Moniz Pereira, destaque para o despique no dardo entre Tiago Aperta, esta época no Novas Luzes (70,50), e o benfiquista Leandro Ramos (69,60). Jéssica Inchude lançou o peso a 17,12, derrotando Francislaine Serra (16,09). E Liliana Cá ganhou o disco com 54,64.

Ainda no setor masculino, Mykyta Sudashov ganhou o peso (14,18) e o disco (48,89), enquanto o júnior Afonso Jantarada lançou o martelo (6 kg) a 48,02.

No Estádio Universitário, as marcas foram muito fracas. O melhor (de longe) foi o benfiquista José Carlos Pinto que fez sozinho os 300 m em 35,78 e ganhou destacadíssimo (15 segundos de vantagem!) os 800 m em 1.49,67.

Resultados completos no site da AAL.

Deixar Resposta