Balanço 2019 (femininos): Progressão continua e ajuda no Europeu de Seleções foi decisivo

0
271

Tal como no setor masculino, o atletismo feminino nacional está num bom momento, como o refletem os rankings nacionais, que obtiveram as melhores médias de sempre pelo 3º ano consecutivo (4º no que toca ao top’20), e a subida à Superliga europeia, para o qual o setor feminino deu mais pontos que o masculino.

Os rankings nacionais do ano mantêm uma tendência de melhoria muito agradável. No que toca às médias das 10 melhores de cada uma das 17 provas de pista consideradas (todas exceto 10000 m e heptatlo), num total de 170 atletas, com base nas pontuações da tabela IAAF de 2008, tem-se verificado uma subida contínua ao longo dos últimos cinco anos, de 927,8 até 958,1 pontos, com pontuações recorde nas três últimas épocas (antes: 941,6 pontos em 2010). As médias das 20 melhores marcas de cada prova (num total de 380) melhoram desde 2015 (de 867,9 a 896,1 pontos) e são recorde nas últimas quatro épocas (antes: 877,4 em 2010). De 2018 para 2019, as médias progrediram 8,2 pontos tanto no top’10 como no top’20, uma margem apreciável.

Por setores, verifica-se que os 1028 pontos do top’10 das corridas é a melhor pontuação desde 1999 e já está apenas a 6,6 pontos do recorde (de 1993); e os 977,9 pontos do top’20 é a melhor pontuação desde 2000, estando a 9,9 pontos do recorde (de 1993). A média do top’20 dos 3000 m obstáculos foi a melhor de sempre (11.00,44).

Nos saltos, registou-se um ligeiro decréscimo, de 938 pontos em 2018 para 934 (top’10) e de 865,7 pontos para 862,2 (top’20), embora as médias do comprimento (6,17 e 5,92) e triplo (13,49 e 12,78) sejam as melhores de sempre.

Nos lançamentos, as médias de 2019 são as melhores de sempre, batendo recordes que já vinham de 2005: no top’10, de 816,9 para 825; no top’20, de 736,4 para 742,7 pontos. Relativamente a 2018, progrediu-se nada menos de 15,3 (top’10) e 13,7 pontos (to’20). As médias top’10 do peso (14,62) e do disco (50,07) e top’20 do disco (44,72) foram as melhores de sempre.

Vejamos as médias dos últimos anos:

MÉDIAS ANO A ANO (tabela IAAF 2008)

10 MARCAS FEMININAS

                     Corridas           Saltos              Lanç.              Total

2010            1017,0                 907,5               806,0                941,6

2011            1009,3                 922,0               786,2               936,3

2012            1001,3                 920,5               776,7               929,5

2013            1000,8                 923,7               775,0               929,5

2014            1004,0                 939,7               765,5               932,8

2105            1003,7                 916,0               769,0               927,8

2016            1015,0                 908,5               789,2               936,8

2017            1012,7                 930,0               806,7               944,7

2018            1017,6                 938,0               809,7               949,9

2019            1028,0                 934,0               825,0               958,1

MELHOR ANO ANTERIOR

1034,6                 911,0               816,9               938,2

(1993)                 (2009)             (2005)             (2009)

20 MARCAS FEMININAS

Corridas      Saltos                Lanç.              Total

2009             957,1                 835,5               717,5               872,1

2010             963,9                 834,0               726,2               877,4

2011             954,6                 851,0               713,0               873,6

2012             951,5                 853,7               699,7               869,1

2013             950,2                 855,2               700,7               869,2

2014             952,3                 860,2               695,7               870,3

2015             951,4                 846,7               701,0               867,9

2016             964,7                 840,7               718,2               877,5

2017             962,0                 857,7               726,7               882,1

2018             968,3                 865,7               729,0               887,9

2019             977,9                 865,2               742,7               896,1

Melhor ano anterior

987,8                 835,5               736,4               872,4

(1993)               (2009)            (2005)               (2000)

Nota: Não foi considerada a prova de 10000 m por insuficiente número de atletas nos últimos anos.

Poderá ver todas as médias e pontuações, prova a prova, desde 1961, em http://atletismo-estatistica.pt/anuais/medias-e-pontuacoes/

Patrícia Mamona novamente a melhor

Tal como em 2016, Patrícia Mamona foi a melhor atleta nacional do ano, embora aquém dos pódios europeu (por bem pouco…) e mundial. Sem atingir o seu melhor, teve época positiva. Grandes progressos de Evelise Veiga (em especial no triplo) e regresso de Ana Cabecinha ao pódio, onde esteve seis anos consecutivos, de 2012 a 2017.

Num ano com “menos” Inês Henriques (foi 3ª na Taça da Europa mas desistiu no Mundial), há ainda a salientar a queda de dois recordes de Portugal (400 m e peso).

A nível coletivo, o Sporting, campeão nacional pelo nono ano consecutivo (e pela 24 ª vez nos últimos 25 anos!) manteve uma total superioridade (26 pontos de vantagem) num pódio completado por Benfica e J. Vidigalense, como nos dois anos anteriores.

PÓDIO

1ª PATRÍCIA MAMONA (SPORTING)

Foi a melhor portuguesa (setor feminino) no Mundial, com um honroso 8º lugar, depois de ter falhado por pouco (4 cm) o pódio no Europeu de pista coberta. Esteve melhor no inverno (14,44 e 14,43) que ao ar livre (14,40) devido a problemas físicos. Faltou-lhe aproximar-se do seu recorde nacional.

2ª EVELISE VEIGA (SPORTING)

Segunda no comprimento e triplo das Universíadas, 2ª e 3ª no Europeu de Seleções, teve uma excelente época, igualando o seu melhor no comprimento (6,61 duas vezes) e melhorando no triplo para 14,32. Só foi pena não ter podido ir ao Mundial no comprimento (ainda a sua melhor especialidade) em vez do triplo, prova na qual obteve marca de qualificação.

3ª ANA CABECINHA (CO PECHÃO)

Não foi uma época tão conseguida como várias das anteriores, mas o seu nono lugar no Mundial foi positivo (quinta presença consecutiva no top’10), depois de ser 5ª na Taça da Europa.

MENÇÕES HONROSAS

Para além dos recordes nacionais de Cátia Azevedo (400 m) e Jéssica Inchude (peso), há a salientar Susana Costa, que esteve muito bem no inverno, com um 5º lugar no triplo do Europeu de pista coberta, com os mesmos 14,33 de Patrícia Mamona (4ª). Mariana Machado confirmou as esperanças que nela se depositam, voltando a progredir (bateu novamente o recorde nacional júnior de 1500 m) e sendo 2ª nos 3000 m e 4ª nos 1500 m do Europeu de Juniores (finais no mesmo dia!). Salomé Afonso foi 5ª nos 1500 m do Europeu de Sub’23. Lorène Bazolo, aos 36 anos, continuou a dominar na velocidade, aproximando-se mesmo dos seus melhores tempos, com 11,23 e 23,32.

A CONFIRMAÇÃO: MARIANA PESTANA (ACD S. JOÃO)

A martelista madeirense, ainda júnior de 1º ano, que em 2018 já muito prometia, com 51,35, confirmou bons progressos, lançando a 57,36, curiosamente apenas 17 cm menos que a marca conseguida por Vânia Silva enquanto júnior…

A REVELAÇÃO: BÁRBARA NEIVA (SPORTING)

Embora não fosse uma “desconhecida” enquanto juvenil (já dera boas indicações com 6.55,69 nos 2000 m obstáculos), revelou-se em 2019 ao bater o recorde nacional de juniores de 3000 m obstáculos, com 10.26,45. Foi quem mais se distinguiu, apesar do “perigo” da escolha de fundistas jovens (quantos e quantas falharam depois de muito prometerem porque treinavam acima do devido para as suas idades?…)

OS PÓDIOS ANUAIS DA REVISTA ATLETISMO

1998      1ª Manuela Machado           2ª Fernanda Ribeiro             3ª Carla Sacramento

1999      1ª Susana Feitor                   2ª Carla Sacramento             3ª Carmo Tavares

2000      1ª Fernanda Ribeiro             2ª Isabel Abrantes                3ª Susana Feitor

2001      1ª Carla Sacramento             2ª Susana Feitor                   3ª Carmo Tavares

2002      1ª Naide Gomes                   2ª Carla Sacramento             3ª Nédia Semedo

2003      1ª Elisabete Tavares             2ª Susana Feitor                   3ª Teresa Machado

2004      1ª Naide Gomes                   2ª Anália Rosa                      3ª Vânia Silva

2005      1ª Susana Feitor                   2ª Naide Gomes                   3ª Vera Santos

2006      1ª Naide Gomes                   2ª Anália Rosa                      3ª Vera Santos

2007      1ª Naide Gomes                   2ª Susana Feitor                   3ª Inês Henriques

2008      1ª Naide Gomes                   2ª Ana Cabecinha                 3ª Jéssica Augusto

2009      1ª Naide Gomes                   2ª Sara Moreira                     3ª Inês Monteiro

2010      1ª Naide Gomes                   2ª Jéssica Augusto                3ª Sara Moreira

2011      1ª Susana Feitor                   2ª Dulce Félix                       3ª Jéssica Augusto

2012      1ª Dulce Félix                      2ª Jéssica Augusto                3ª Ana Cabecinha

2013      1ª Sara Moreira                    2ª Ana Cabecinha                 3ª Dulce Félix

2014      1ª Jéssica Augusto               2ª Sara Moreira                     3ª Ana Cabecinha

2015      1ª Ana Cabecinha                2ª Sara Moreira                     3ª Patrícia Mamona

2016      1ª Patrícia Mamona              2ª Ana Cabecinha                 3ª Sara Moreira

2017      1ª Inês Henriques                 2ª Patrícia Mamona              3ª Ana Cabecinha

2018      1ª Inês Henriques                 2ª Marta Pen                      3ª Jéssica Inchude

2019      1ª Patrícia Mamona               2ª Evelise Veiga                  3ª Ana Cabecinha

POSITIVO

+ Quarto ano de progressão nos rankings nacionais

+ Vitória na I Liga do Europeu de Seleções e subida à Superliga, com especial relevância para o setor feminino

+ 8º lugar de Patrícia Mamona e 9º de Ana Cabecinha num Mundial que, no que toca à presença portuguesa, ficou aquém das expetativas.

+ 4º e 5º lugares de Patrícia Mamona e Susana Costa no Europeu de pista coberta

+ Recordes nacionais de Cátia Azevedo (400 m) e Jéssica Inchude (peso)

NEGATIVO

– Apesar da presença de cinco das seis melhores fundistas nacionais (das quais desistiram duas numa prova e três noutra…) foi péssima a atuação nacional no Europeu de corta-mato (12º lugar coletivo) e na Taça da Europa de 10000 m (não se pontuou).

– Desistência de Inês Henriques (a maior esperança nacional) nos 50 km marcha do Mundial, disputados em condições atmosféricas muito difíceis.

RECORDES DE PORTUGAL BATIDOS EM 2019

400 m           Cátia Azevedo (Sporting CP)                 51,62       Nápoles        09-07-2019

Peso              Jéssica Inchude (Sporting CP)                17,54       Leiria-CNL   04-08-2019

ALTERAÇÕES NO TOP’10 NACIONAL DE SEMPRE

1ª    Cátia Azevedo                  SCP          400 m              51,62

1ª    Jéssica Inchude                SCP          peso                17,54

2ª    Susana Costa                  SCP           triplo               14,43pc

2ª    Mara Ribeiro                   SLB           50 km M           4.27.14

3ª    Evelise Veiga                   SCP           triplo               14,32

3ª    Eliana Bandeira               SLB            peso                16,95

3ª    Salomé Rocha                   SCP        maratona         2.24.47

3ª    Sandra Silva                     CFOD      50 km M          5.07,10

4ª    Vera Barbosa                    SCP          400 m            52,89

4ª    Francislaine Serra             SCP            peso             16,70

4ª    Cláudia Ferreira                SCP           dardo            52,34

6ª    Olímpia Barbosa               SCP         100 bar.           13,36

6ª    Jéssica Inchude                 SCP           disco            51,98

7ª    Joana Soares                     AJS         3000 ob.         9.55,86

7ª    Jéssica Barreira                 SCP           comp.            6,44

8ª    Ivanilda Semedo              SLB           disco               50,92

9ª    Daniela Sousa                  GDE        3000 ob.       10.03,04

9ª    Yariagnis Arguelles          SCP           comp.              6,40

9ª    Shaina Mags                     SCP           triplo             13,44

9ª    Eliana Bandeira                SLB           disco              50,75

10ª       Mariana Pestana         ACDSJ           martelo        57,36

 

 

Deixar Resposta