Balanço da época 2019 – 3000 m obstáculos (F): Joana Soares já regular abaixo dos 10 minutos

0
935

É certo que as melhores marcas nacionais já baixaram várias vezes dos 9.30 e, até 9.45, já houve cinco atletas portuguesas a consegui-lo. Mas, nos tempos que (por cá) correm, baixar de dez minutos já é agradável e Joana Soares, que vem dominando nos últimos anos conseguiu-o quatro vezes. Curiosamente, quem mais se aproximou foi outra atleta madeirense, Daniela Sousa.

As médias das 10 e 20 melhores atletas do ano progrediram muito (mais de 30 segundos!) relativamente a 2018. A do top’10 (10.22,95) é a segunda de sempre (a prova é recente, havendo rankings apenas desde 2005), embora ainda a nove segundos do recorde de há dez anos (2009). A do top’20 (11.00,44) bate o recorde que estava em 11.03,63 desde esse mesmo ano.

PÓDIO:

1ª JOANA SOARES (GD ESTREITO)

Progrediu de 10.05,41 para 9.55,86, ao ganhar (com 42 segundos de vantagem) o Nacional da I Divisão. Na Ribeira Brava, baixou duas vezes dos 10 minutos, mesmo sem luta (9.56,78 e 9.58,43), e sagrou-se campeã de Portugal com 9.58,94 e mais de 13 segundos de vantagem. Foi quarta no Europeu de Seleções.

2ª DANIELA SOUSA (GD ESTREITO)

Progrediu de 10.28,19 para 10.03,04 em Huelva e fez 10.10,02 no apuramento de clubes. Uma agradável surpresa, embora competindo pouco.

3ª EMÍLIA PISOEIRO (RD ÁGUEDA)

Foi surpresa em 2018, ao sagrar-se campeã de Portugal com 10.09,87. Este ano, aproximou-se, sendo 2ª (Joana Soares desforrou-se…) com 10.12,18 mas também fez poucas provas.

E AINDA…

Enquanto em 2018 foram apenas cinco as atletas até 11 minutos, este ano houve 11, entre as quais a “regressada” Clarisse Cruz (9.30,06 em 2012, ano em que foi finalista olímpica), que ainda conseguiu 10.34,83 com quase 41 anos. Destaque para os progressos das sub’23 Carla Reis (10.39,90-10.24,55), Laura Taborda (11.07,24-10.27,88) e Lília Martins (11.13,02-10.47,88) e das juniores Bárbara Neiva (estreia com 10.26,45) e Mara Resende (11.26,89-10.42,12).

A REVELAÇÃO: BÁRBARA NEIVA (SPORTING)

Embora não seja uma revelação pura (já dera nas vistas como juvenil, nos 2000 m obstáculos, em 2018, pelo Almada e Figueirinhas), conseguiu no primeiro ano como júnior, o recorde nacional, com 10.26,45, ao ser 8ª no Europeu da categoria.

Ranking da época em http://atletismo-estatistica.pt/

Deixar Resposta