Balanço da época 2019 – 400 metros (M): Raidel Acea lidera, Ricardo Santos “apagado”

0
831

Na sua segunda época em Portugal (e no Benfica) – teve uma naturalização tão rápida quanto a de Pichardo -, Raidel Acea, finalista olímpico por Cuba nos 4×400 m em 2016, embora sem atingir os 45,18 conseguidos em 2015, já se tornou o segundo português de sempre, ao conseguir 46,09 logo em abril, nos Estados Unidos. Já o recordista Vítor Ricardo Santos teve uma época algo apagada. O nível geral é que voltou a cair um pouco face ao de 2018, o melhor deste século mas ainda aquém do de finais dos anos 80, já lá vão 30 anos!

PÓDIO

1º RAIDEL ACEA (BENFICA)

Dominou a época com quatro marcas abaixo de 47 segundos, a segunda das quais no Campeonato de Portugal (46,33), que ganhou com mais de segundo e meio de vantagem. Mas ainda não tem permissão da IAAF para representar Portugal, pelo que ficou fora do Mundial.

2º VÍTOR RICARDO SANTOS (BENFICA)

Época algo apagada do recordista nacional (45,14 em 2018), que teve como melhor 46,74 no Europeu de Seleções (3º) e acabou apenas terceiro no Campeonato de Portugal, com 47,04.

3º JOÃO COELHO (BENFICA)

Revelação em 2018 (47,24), não esteve tão bem em 2019 (47,48 em pista coberta como primeira marca). Esteve melhor em pista coberta (campeão de Portugal e de sub’23) que ao ar livre (7º na meia-final do Europeu sub’23, com 47,49).

E AINDA…

A grande revelação foi Omar Elkhatib, ainda são-tomense e júnior de 1ª época, que progrediu de 49,53 para 46,94, sendo segundo no Campeonato de Portugal e campeão nacional sub’23. Embora sem atingir os 47,48 de 2018, Mauro Pereira (47,58 como melhor) foi presença regular na seleção de 4×400 m. Progressos registaram (até aos 49 s) o júnior Leandro Fevereiro (48,78-48,24), o sub’23 Diogo Pinhão (48,44-48,25) e João Ferreira (49,31-48,94).

A REVELAÇÃO

MIGUEL ALVES (JUV. ILHA VERDE)

Foi surpreendente campeão nacional de 200 m, correndo na série B e com ajuda do vento, mas foi nos 400 m que este sub’23 açoriano mais progrediu, de 50,13 em 2016 para 48,46. Embora não tenha conseguido chegar aos pódios dos Nacionais Sub’23 (4º com 49,09 em pista coberta e com 49,72 ao ar livre).

Ranking da época em http://atletismo-estatistica.pt/

Deixar Resposta