Balanço do Mundial por Arons de Carvalho

0
1972

 Marchadores e Nelson Évora salvam as aparências

O bom desempenho dos marchadores – com nota muito especial para o histórico triunfo de Inês Henriques – e a medalha (mais uma!) de Nelson Évora tornaram pelo menos regular a presença portuguesa no Mundial de Londres, embora aquém daquilo que era hábito até há poucos anos.

Embora polémica, a estreia dos 50 km marcha femininos em Mundiais redundou num êxito nacional que fica para a história, pois Inês Henriques não só ganhou (e com mais de três minutos de vantagem) como bateu o seu recorde mundial com uma marca de que só daqui a algum tempo saberemos o verdadeiro valor, embora seja de presumir que a própria Inês a possa melhorar em próximas oportunidades. Mas a marcha nacional esteve em particular evidência, já que à vitória de Inês Henriques há a juntar o honroso 6º lugar de Ana Cabecinha com a melhor marca do ano nos 20 km marcha e confirmando uma grande regularidade a alto nível: nos últimos 10 anos, ficou sempre no top’8 nas oito presenças que teve em Jogos Olímpicos, Mundiais e Europeus (falta-lhe uma medalha!). E, com não menor destaque, o 11º lugar do veterano (41 anos!) João Vieira nos 50 km marcha, com um tempo que ficou a segundos do seu recorde nacional. Aos marchadores, há que juntar o “inevitável” Nelson Évora, que soma medalhas em grandes competições – já são oito em Jogos Olímpicos (ouro), Mundiais (quatro, das quais uma de ouro) e ainda, em pista coberta, Mundiais (uma) e Europeus (duas de ouro) -, embora desta vez a marca (que neste caso até foi de importância secundária) tenha ficado aquém das expetativas (apenas na primeira edição do Mundial, em 1983, o pódio foi atingido com menos de 17,19).

Portugal conseguiu, para além de duas medalhas (a última vez fora em Helsínquia’2005), mais um lugar de finalista (três ao todo). Ao longo das 16 edições do Mundial, apenas em quatro ocasiões teve menos de três finalistas… duas das quais em 2013 e 2015 (apenas dois). Considerando as posições de semifinalista (16 primeiros), houve desta vez sete, o sexto melhor somatório de sempre, mas em igualdade com quatro outros Mundiais. Considerando a pontuação com base nos oito primeiros, esta (17 pontos) foi a sexta de sempre, mas há a considerar os oito pontos de Inês Henriques numa prova que antes não existia. Portugal classificou-se em 26º lugar, a nona melhor classificação de sempre. Considerando os 16 primeiros, Portugal somou 65 pontos. Se não houvesse 50 km marcha, Inês Henriques iria aos 20 km e, com base nas classificações dos últimos anos (entre os 7º e 11º lugares), haveria a descontar cerca de oito pontos. Os 57 pontos seriam igualmente a nona pontuação de sempre (em 16 edições). À primeira vista um saldo negativo, para mais se comparado com os 127 pontos de 2009 e os 108 de 2011. Positivo, se compararmos com os escassos 34 e 38 pontos dos dois últimos Mundiais. Portugal teve um meio-fundo muito forte no final do século passado. As especialidades ditas técnicas apareceram depois em bom plano, mas nos últimos anos a quebra havia sido notória. Desta feita, os marchadores, que somaram 33 dos 65 pontos, tornaram pelo menos suficiente a presença nacional, que teve, no entanto, demasiadas presenças (13 em 21) na segunda metade das classificações. Patrícia Mamona (14,29) e Susana Costa (14,35 – recorde pessoal) não repetiram na final do triplo as marcas da qualificação e acabaram fora do top’8 e David Lima, mal nos 100 m, fez melhor nos 200 m e, com um 13º lugar, completou o lote dos semifinalistas nacionais, no qual se esperava a presença de Tsanko Arnaudov, que ficou à beira (17º), graças a uns 20,08 bem distantes do que vinha fazendo.

OS PORTUGUESES NO MUNDIAL

PROVA ATLETA ELIM./QUAL. 1/2 FINAL FINAL CL. CONC.
100 m David Lima 7º – 10,41 37º 60
200 m David Lima 5º – 20,54 4º-20,56v 13º 48
Vara Diogo Ferreira n/classif. n/cl. 29
Triplo Nelson Évora 6º – 16,94 3º – 17,19 30
Peso Tsanko Arnaudov 17º – 20,08 17º 32
Francisco Belo 29º – 19,47 29º 32
50 km M João Vieira 11º-3.45.28 11º 48
Pedro Isidro 32º-4.02.30 32º 48
Maratona Ricardo Ribas desistiu des. 101
200 m Lorène Bazolo 6ª – 23,85 39ª 46
400 m Cátia Azevedo 7ª – 52,79 39ª 49
1500 m Marta Pen 8ª – 4.10,22 32ª 44
10000 m Salomé Rocha 28ª-32.52,71 28ª 33
Triplo Patrícia Mamona 4ª – 14,29 9ª – 14,12 26
Susana Costa 3ª – 14,35 11ª – 13,99 11ª 26
Disco Irina Rodrigues 21ª – 56,98 21ª 30
Heptatlo Lecabela Quaresma 22ª – 5788 22ª 31
(13,94-1,71-13,48-25,38+5,88-36,71-2.14,06)
20 km M Ana Cabecinha 6ª – 1.28.57 60
50 km M Inês Henriques 1ª – 4.05.56 7
Maratona Filomena Costa 28ª-2.36.42 28ª 91
Catarina Ribeiro desistiu des. 91

 

PORTUGAL NO CAMPEONATO DO MUNDO

Ano Local Atletas M+F Titulos Medal. Final ½ f Pts Lug. Pts
(1º) (1º-3º) (1º-8º) (1º-16º) (8 p) (8 p) (16 p)
1983 Helsínquia 11 8+3 2 6 8 27º 43
1987 Roma 22 15+7 1 2 4 11 19 18º 69
1991 Tóquio 23 12+11 4 5 10 28º 48
1993 Estugarda 24 12+12 1 3 7 12 26º 56
1995 Gotemburgo 23 13+10 2 4 5 7 30 17º 80
1997 Atenas 30 20+10 1 4 6 9 34 14º 95
1999 Sevilha 25 15+10 5 7 20 24º 66
2001 Edmonton 21 12+9 1 3 5 13 28º 44
2003 Paris 14 7+7 2 5 9 34º 42
2005 Helsínquia 20 11+9 2 4 7 19 24º 60
2007 Osaca 23 13+10 1 1 4 11 17 22º 76
2009 Berlim 29 16+13 1 4 17 20 21º 127
2011 Daegu 24 12+12 5 14 16 23º 108
2013 Moscovo 12 7+5 2 6 6 40º 34
2015 Pequim 16 7+9 1 2 5 11 29º 38
2017 Londres 20 8+12 1 2 3 7 17* 26º 65*

 

Nota: Apresentam-se sucessivamente o número de atletas portugueses presentes, a sua distribuição por sexos, o número de títulos e de medalhas e o número de atletas classificados nos oito primeiros (considerados “finalistas”) e nos 16 primeiros (finalistas e semifinalistas). Nas três últimas colunas, apresentam-se os pontos conquistados com base nos oito primeiros classificados em cada prova (8-7-6-5-4-3-2-1 pontos) e a respetiva classificação (oficiosa) e ainda a pontuação com base nos 16 primeiros classificados (16-15-14-…-3-2-1 pontos).

* em 2017 foi introduzida a prova feminina de 50 km marcha, na qual Portugal ganhou 8 pontos (8 primeiros) e 16 pontos (16 primeiros)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixar Resposta