Benfica e Juventude Vidigalense campeões nacionais de juvenis

0
3494

A equipa masculina do Benfica, pela quinta vez nos últimos seis anos, e a feminina da J. Vidigalense, que regressou aos títulos após seis triunfos do Benfica, sagraram-se no último fim-de-semana campeões nacionais de juvenis, em Abrantes. Larga superioridade das equipas vencedoras: os rapazes do Benfica somaram 215 pontos, bem mais do dobro dos 85 do Sporting e dos 78 do Estreito, terceiro classificado; as raparigas da J. Vidigalense obtiveram 157 pontos, contra 89 do Benfica, 77 do CO Pechão e 73 do Sporting.

Etson Barros, Júlio Almeida, Edgar Campré, os melhores

Três nomes estiveram em especial evidência no setor masculino. Etson Barros (CO Pechão) bateu o recorde nacional de juvenis dos 2000 m obstáculos, com 5.57,32. Recorde-se que esta prova, com os obstáculos de 84 cm, substituiu em 2013 idêntica prova com obstáculos de 76 cm, na qual o último recordista (João Pires) correu em 5.52,67. Etson Barros ainda será juvenil na próxima época.

Em grande plano voltou a estar o benfiquista Júlio Almeida, que obteve 14,95 no triplo (v:+1,1), confirmando os 15,03 (v;+2,0) que havia conseguido nos Regionais lisboetas e que bateram o bem antigo recorde de Mário Aníbal, com 14,64 em 1989!

Outro atleta em grande evidência foi Edgar Campré (Benfica), que melhorou de 6166 para 6807 pontos no decatlo, marca superior ao recorde nacional (6767). Mas o atleta é são-tomense!

Destaque ainda para os duplos triunfos de Tomás Gonçalves (AA Ch. Caparica), nos 200 e 300 m, e Marcelo Pereira (NA Taipas), nos 800 e 1500 m (em ambos os casos com grande réplica de Nuno Pereira, GD Estreito). Destaque ainda para os recordes pessoais de Marco Câmara (J Ilha Verde) nos 300 m barreiras (38,87) e Ilírio Nazaré (Sporting) no dardo (55,34) e para o título do martelo, conseguido por Diogo Freitas (GD Estreito), ainda iniciado!

O lançador Leandro Ramos (Gira Sol), tal como Mariana Machado (SC Braga) e Catarina Lourenço (Sal. Manique), entre outros, foram grandes ausentes, por estarem em França, no Mundial Escolar. A data de realização deste campeonato deveria ter entrado em linha de conta com isso!…

Nkansa, Diallo, Karas, Guerreiro e não só…

foto-juventudeNo setor feminino, a belga Nkansa Delphine voltou a mostrar-se na velocidade, ganhando com larga vantagem os 100 m (11,92 com vento +2,3) e os 200 m (24,91 com vento +2,2) – Catarina Lourenço fez falta.

Fatoumata Diallo voltou a estar em foco, ganhando os 300 m em 40,23, a quatro centésimos do seu melhor (é a terceira juvenil nacional de sempre) e ajudando a sua equipa a conquistar a estafeta medley.

Lia Lemos (Maia AC), nos 1500 e 3000 m e Catarina Karas (Sporting) nas barreiras (14,42 contra o vento) e no comprimento (5,84 com vento a favor) também ganharam dois títulos.

Destaque ainda para os 6.58,72 de Nádia Carvalho (N Sp. T. Novas) nos 2000 m obstáculos (com boa réplica de Bárbara Neiva) e para o recorde dos campeonatos de Juliana Guerreiro (C Bf Faro), com 43,80 nos 300 m barreiras (4ª juvenil de sempre). Outras campeãs com recordes pessoais que as colocam em posições de relevo nos rankings de sempre foram Eduarda Ferreira (J. Vidigalense), com 12,28 no triplo (6ª juvenil de sempre); Bárbara Bica (Spiridon Gaia), com 42,68 no dardo/500 g (4ª); e Mariana Bento (Sporting), com 4739 no heptatlo (5ª).

Uma referência para a ainda iniciada Ana Costa (CA Tâmega), segunda classificada nos 200 m, 300 m e 300 m barreiras. E para Elena Furk, ainda iniciada de 1º ano, campeã do salto em altura, com 1,61.

Outras iniciadas vice-campeãs: Inês Borba (1500 m), Eva Gonçalves (disco), Rafaela Aleixo (dardo) e Carla Rodrigues (heptatlo). Bom sinal para 2018 e 2019!…

Títulos

Houve sete atletas (além da equipa feminina no CO Pechão na estafeta) a repetirem títulos conquistados há um ano: Simão Pereira na altura (1,91 em 2016, 1,94 agora), Júlio Almeida no triplo (13,96-14,95 – quase um metro mais!), Edgar Campre no decatlo (6051-6807), Fatoumata Diallo nos 300 m (40,58-40,23), Catarina Karas no comprimento (5,66-5,84vf), Micaela Sereno no disco (41,09-40,46), Bárbara Bica no dardo (37,80-42,68). Apenas esta última poderá conseguir o “tri” em 2018. “Tri” que Bárbara Mota, 2ª na vara, falhou agora!

Em comparação com 2018, houve agora apenas 18 marcas vencedoras melhores, contra 24 piores. Equilíbrio no setor feminino (10-11), mas desequilíbrio no masculino (8-13).

Eis a lista dos vencedores:

João Geadas AJES 10,92v 100 m Nkansa Delphine* CPPEA 11,92v
Tomás Gonçalves AACC 22,46 200 m Nkansa Delphine* CPPEA 24,91v
Tomás Gonçalves AACC 35,87 300 m Fatoumata Diallo COP 40,23
Marcelo Pereira NATp 1.56,41 800 m Joycelene Barros ADNO 2.15,82
Marcelo Pereira NATp 4.08,97 1500 m Lia Lemos MAC 4.41,33
Miguel Ribeiro SLB 8.57,00 3000 m Lia Lemos MAC 10.07,01
Etson Barros COP 5.57,32 2000 ob. Nádia Carvalho NSTN 6.58,72
Tomás Ferreira ACDRE 14,82 1b/91/76 Catarina Karas SCP 14,42
Marco Câmara JIV 38,87 300 bar Juliana Guerreiro CBF 43,8
Simão Pereira GCAD 1,94 altura Elena Furk ACM-Aç. 1,61
Pedro Buaró GDE 4,25 vara Carlota Gonçalves UFCT 2,86
Mamadú Jaló SLB 7,17v comp. Catarina Karas SCP 5,84v
Júlio Almeida SLB 14,95 triplo Eduarda Ferreira JV 12,28
Tomás Rodrigues SLB 14,13 peso/5/3kg Beatriz Gomes CSM 13,99
Cleide Lopes SCP 41,79 disco/1,5/1kg Micaela Sereno JV 40,46
Diogo Freitas GDE 53,06 nartelo/5/3kg Linda Mendes ACDSJ 47,25
Ilírio Nazaré SCP 55,34 dardo/7/5 Bárbara Bica CSGa 42,68
Ruben Santos CFOD 22.58,31 5000m M Joana Pontes GACV 25.40,73
SL Benfica* SLB 44,71 4x100m JUNI JUNI 51,07
J. Vidigalense JV 2.07,62 est. medley CO Pechão COP 2.21,52
Edgar Campre* SLB 6807 heptatlo Mariana Bento SCP 4739
* atletas estrangeiros

 

Deixar Resposta