Benfica novamente campeão nacional júnior de pista coberta

2
3741

O Benfica sagrou-se este domingo campeão nacional de juniores de pista coberta pela 10ª vez no setor masculino (em 17 campeonatos) – 8ª consecutiva! – e pela 8ª vez no feminino (3ª consecutiva). Nos rapazes, o Benfica somou 242 pontos, contra 230 do Sporting e 99 da AD Novas Luzes, que foi a surpresa do pódio. Nas raparigas, o Benfica conseguiu 185 pontos, contra 164,5 do Sporting e 86 da Juventude Vidigalense. Despiques bem mais equilibrados entre Benfica e Sporting que em épocas anteriores…

Além os títulos coletivos, atletas do Benfica conseguiram dois recordes nacionais, no heptatlo e nos 4×200 metros. E um terceiro não pode ser considerado (nos 4×200 m femininos), pois Delphine Nkansa é belga.

Destaque especial para Manuel Dias, que melhorou no heptatlo de 4904 pontos em 2016 – em representação do União de Tomar – para 5352 pontos, progredindo em todas as sete provas (!): 7,35-7,24 nos 60 m; 6,25-7,10 no comprimento; 12,46-13,08 no peso; 1,78-1,80 na altura; 8,48-8,41 nas barreiras; 4,20-4,40 na vara; 2.54,51-2.46,58 nos 1000 m. Destaque especial para o salto em comprimento, já que os seus 7,10 dariam para ser campeão nacional; e na vara seria segundo e nas barreiras terceiro… O anterior recorde nacional pertencia a Samuel Remédios, com 5310 desde final de 2010.

Nos 4×200 m, o Benfica (com Delvis Santos, David Reis, João Geadas e João Coelho) conseguiu 1.30,26 (antes: FC Porto, 1.30,98 em 2010).

No setor feminino, a principal figura do campeonato voltou a ser Marisa Carvalho (Benfica), campeã de 60 m barreiras (pelo 4º ano consecutivo!) e do comprimento, com recorde dos campeonatos [ver adiante] e com uma marca (6,12) que a coloca como terceira júnior de sempre, a seguir à recordista Teresa Carvalho (6,20) e a Ana Oliveira (6,13). Muito bom o nível da velocidade. A ainda juvenil belga Delphine Nkansa (Benfica) ganhou os 60 m, com 7,60 (tem 7,50 como melhor) e os 200 m com 24,60 (só Lucrécia Jardim, 24,47, tem melhor como juvenil) e ainda esteve na estafeta vencedora de 4×200 m.

Catarina Lourenço (Fund. Salesiana), com 24,86 nos 200 m, passou a ser a 5ª júnior de sempre, e Beatriz Andrade (SCU Torreense), com 25,08, subiu a segunda juvenil nacional de sempre (Nkansa não conta por ser belga). Também a campeã de 400 m, Ana Costa (Boavista), é ainda juvenil (e de 1º ano!) e o seu tempo de 56,92 fica a cinco centésimos do recorde de Fatoumata Diallo.

No setor masculino, o principal destaque, para além de Manuel Dias, vai para Rodolfo Garcia (Benfica), cujos 16,48 no peso o colocam como quarto júnior de sempre, a seguir a António Vital Silva (18,13), Tsanko Arnaudov (17,87) e Otoniel Badjana (17,17).

Na vara, João Pedro Buaró (GD Estreito), ao passar 4,50, subiu a segundo juvenil de sempre (não considerando as marcas de final do ano, já na época seguinte, altura em que Ruben Miranda bateu o recorde nacional do escalão, com 4,66).

Curiosidades dos campeonatos:

– Marisa Carvalho ganhou pelo quarto ano consecutivo (feito inédito) o título de 60 m barreiras, somando oito vitórias nos Nacionais de Juniores (mais duas em 60 m e uma em comprimento e peso). Mas pode ser igualada no próximo ano por Bárbara Mota, que já ganhou três títulos na vara.

– Foram batidos cinco recordes dos campeonatos: os dois recordes nacionais (heptatlo e 4×200 masc.) e ainda Delphine Nkansa nos 200 m (24,60, contra 24,84 de Patrícia Lopes em 2001), Marisa Carvalho no comprimento (6,12, contra 6,06 da sua irmã Teresa Carvalho em 2014) e a equipa feminina do Benfica de 4×200 m (1.41,44 contra 1.43,58 do Benfica em 2013… igualmente com uma atleta estrangeira). A marca do Benfica é recorde dos campeonatos, já que Delphine Nkansa pode ser campeã nacional, por ainda não ter 18 anos, mas não pode ser recordista nacional, por ser estrangeira.

– Houve 16 marcas de campeões melhores contra 12 piores relativamente a 2017, com destaque para o setor feminino (9 melhores, 5 piores e 1 igual), já que no masculino houve igualdade 7-7 (e uma igual).

– Nada menos de sete campeões ainda são juvenis: curiosamente apenas um no setor masculino, João Pedro Buaró (vara) e seis no feminino, Delphine Nkansa (60 e 200 m), Ana Costa (400 m), Lia Lemos (3000 m), Eduarda Ferreira (altura) e Maria João Esteves (triplo).

MASCULINOS
60 m Delvis Santos (SL Benfica) 6,95
200 m Delvis Santos (SL Benfica) 22,53
400 m João Coelho (SL Benfica) 49,58
800 m António Moura (Sporting CP) 1.53,17
1500 m Alexandre Figueiredo (SL Benfica) 4.02,33
3000 m Martim Monteiro (Sporting CP) 8.29,00
60 b/1m Diogo Guerra (SL Benfica) 8,30
Altura Ailton Fernandes (Sporting CP) 2,00
Vara João Pedro Buaró (GD Estreito) 4,50
Comp. André Rangel (AA Pinahlnovense) 6,92
Triplo Henrique Fortes (AD N Luzes) 14,18
Peso/6k Rodolfo Garcia (SL Benfica) 16,48
5 km M Ruben Santos (CF Oliv. Douro) 22.40,66
Heptatlo Manuel Dias (SL Benfica) 5335
4×200 m SL Benfica 1.30,26
Por equipas:
SL Benfica 242
Sporting 230
AD Novas Luzes 99
FEMININOS
60 m Delphine Nkansa (SL Benfica) 7,60
200 m Delphine Nkansa (SL Benfica) 24,60
400 m Ana Costa (Boavista) 56,92
800 m Mariana Machado (SC Braga) 2.11,52
1500 m Mariana Machado (SC Braga) 4.33,41
3000 m Lia Lemos (Maia AC) 9.55,14
60 bar. Marisa Carvalho (SL Benfica) 8,56
Altura Eduarda Ferreira (J. Vidigalense) 1,56
Vara Bárbara Mota (SC Braga) 3,20
Comp. Marisa Carvalho (SL Benfica) 6,12
Triplo Mª João Esteves (CA M Grande) 12,03
Peso Inês Carreira (J. Vidigalense) 12,46
3 km M Inês Reis (Sporting CP) 14.04,79
Pentatlo Bárbara Silva (Jard. Serra) 3321
4×200 m SL Benfica 1.41,44
Por equipas:
SL Benfica 185
Sporting 164,5
Juv. Vidigalense 86

2 Comentários

  1. “Destaque especial para o salto em comprimento, já que os seus 7,10 dariam para ser campeão nacional; e na vara seria segundo…” e 3º nas barreiras.

    A Ana Costa
    desde pequena que corre como uma mota, mas na verdade não se chama “Ana Mota” (conforme aí vem escrito por 2 vezes), mas sim Ana Costa

Deixar Resposta