Caster Semenya tem apoio do governo da África do Sul contra decisão que impõe redução de testosterona

0
76

O Ministro do Desporto, Cultura e Artes da África do Sul, Nathi Mthethwa comprometeu-se a lutar contra a “injustiça” da decisão que exige que Caster Semenya tome medicamentos que reduzam os seus níveis de testosterona para poder competir em provas entre os 400 metros e a milha.

Bicampeã olímpica nos 800 metros, ela viu rejeitado na terça-feira passada o seu apelo no Supremo Tribunal da Suíça contra a decisão que a obriga a seguir as regras criadas pela World Athletics para diminuir os altos níveis de testosterona em algumas atletas.

Mthethwa descreveu a decisão da rejeição do recurso como “muito infeliz e ofensiva para os direitos humanos fundamentais das atletas classificadas como hiperandrogénicas”. Tanto o governo da África do Sul como a comunidade desportiva global tiveram sempre uma visão firme de que esses regulamentos são uma violação grosseira dos direitos humanos fundamentais de atletas hiper-femininas” disse ele ao “Political Analysis South Africa”.

Portanto, apoiamos o apelo de Semenya e do Athletics South Africa (ASA) na sua luta legal com o Atletismo Mundial. Como Governo da África do Sul democrática, um país conhecido pela sua tradição de promoção e proteção dos direitos humanos básicos, juntamente com a ASA, estudaremos o julgamento e consideraremos várias opções e caminhos à nossa disposição na nossa campanha coletiva para combater esta injustiça”, relatou.

Dona de 30 medalhas olímpicas e mundiais combinadas, a ginasta norte-americana Simone Biles também defendeu Semenya. “Isto está errado em tantos níveis. Mais uma vez, homens tendo controle sobre o corpo das mulheres. Estou cansada”, postou a ginasta.

Deixar Resposta