Chaunte Lowe supera cancro da mama e quer estar nos seus quintos Jogos Olímpicos

0
302

A norte-americana Chaunte Lowe,  uma das melhores saltadoras mundiais, foi diagnosticada com um cancro da mama em meados de Junho do ano passado. Na altura, disse: “Uau, este não é o bastão que se deseja entregar…Há tantas pessoas que sofrem de cancro da mama, às quais eu não estava prestando muita atenção antes que isso acontecesse comigo. Agora, estou prestando atenção “.

Lowe, mãe de três filhos, não esperou pela recomendação de fazer uma mamografia a partir dos 40 anos. Tinha então 35 anos quando fez o exame. “Se eu tivesse esperado até aos 40, não estaria aqui. Eu não teria completado 40 anos.”

Ela tinha ficado alarmada quando sentiu um pequeno nódulo na área do peito, do tamanho de meio grão de arroz. “Eu sabia que não estava lá na semana anterior”.

Chaunté Howard 1Ela foi ao médico e tentou fazer uma mamografia. “Eles me recusaram completamente”, disse ela. Disseram-lhe que era muito jovem, que provavelmente não era nada.

Embora não fosse um procedimento normal, ela finalmente conseguiu convencer o laboratório a deixá-la fazer a mamografia em Agosto de 2019. O médico olhou para as imagens e disse-lhe que era apenas um linfonodo.

No entanto, o caroço não desapareceu. Lowe sonhou que algo estava terrivelmente errado com ela. Procurou outro médico e sentiu o nó triplicar de tamanho enquanto esperava a consulta.

O novo médico ouviu a história de Lowe, que lhe disse que preferia estar segura do que arrependida. Fez a mamografia e as suas digitalizações pareciam completamente diferentes. A massa tinha crescido 1,8 centímetros, uma medida que Lowe conhecia muito bem, já que essa é a diferença entre ganhar e perder no salto em altura. Fez imediatamente uma biópsia. “Foi quando eles me disseram que não é apenas o cancro da mama, mas a forma mais agressiva de cancro da mama”, disse Lowe, “e se eu não o tivesse feito, seria muito pior.” Foi então diagnosticada com um cancro da mama triplo negativo.

Agindo

Se o cancro tivesse sido detetado na primeira visita ao médico, o tratamento seria uma mastectomia com radiação, mas o atraso de 11 meses exigiu o tratamento mais agressivo da mastectomia dupla e quimioterapia.

Lowe fez quimioterapia uma vez a cada três semanas, durante cinco meses. Mas, não deixou de treinar, construindo a sua base com pliometria (forma de exercício que busca a máxima utilização dos músculos em movimentos rápidos e de explosão), treino anaeróbico e treino de força antes de começar novamente a saltar.

Agora com 36 anos, diz encontrar-se curada e quer lutar por uma vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Deixar Resposta