Correr Lisboa/Projeto diferente que quer pôr Lisboa a correr

0
1177

O Correr Lisboa é um clube diferente do tradicional. Talvez por isso, o clube chegue a ter mais de 250 atletas só numa prova. Bruno Claro é o principal responsável de um clube que não pára de crescer.

A Associação Correr Lisboa nasceu em 8 de Abril de 2013 para ser uma plataforma digital com o objetivo de encontrar pessoas interessadas em correr. O primeiro treino foi em Julho e a partir daí, o Correr Lisboa nunca mais parou.

Bruno Claro e Sandra Claro são os grandes dinamizadores deste projeto de sucesso que já mobilizou mais de 1.500 corredores. As regras são claras: ao fim de dez treinos, tem-se direito à camisola do clube.

Treinos gratuitos

Correr Lisboa6Os treinos são gratuitos e não carecem de inscrição, basta aparecer às 3ªs, 4ªs, 5ªs e sábados, na Cidade Universitária, na pista Moniz Pereira, no Parque das Nações ou em Odivelas. Os ritmos são também variados, dos 4.30/km aos 6.30/km.

O clube tem um treinador e 19 ajudantes/guias para os diferentes ritmos. Quem quer evoluir mais um pouco, vai à pista Moniz Pereira às 4ªs pelas 20.30, onde tem um treinador especializado à sua espera. Tudo isto de forma gratuita!

Aqueles que querem começar a correr também não são esquecidos. Têm um treino uma vez por mês à volta do Estádio da Luz.

Com tanta gente a correr, o clube tem naturalmente muitos maratonistas. Para melhor preparar os atletas para a distância da maratona, o Correr Lisboa organiza duas vezes por ano, treinos longos de preparação que incluem abastecimentos, como se tratasse de uma prova a sério!

E turísticos

As redes sociais têm sido uma importante forma de expansão do clube. “Os estrangeiros vêm de férias, sabem do nosso grupo e juntam-se a nós nos treinos. É uma das vantagens das redes “sociais”.

Correr Lisboa 5Bruno organiza um treino turístico mensal de Santa Apolónia ao centro da cidade. “São treinos para conhecer a cidade, vem muita gente. Fazemos treinos com 70/80 pessoas e com o calor, há mais gente”.

Estes treinos costumam ter um tema. Já houve o dos grafitis, as cervejas artesanais, o chinês, etc.

“É muito bonito ouvir alguém dizer-nos que agora é mais feliz e mais saudável por nossa causa”

Mancha amarela com mais de 250 atletas numa só prova!

O Correr Lisboa não tem uma Direção nem sócios a pagar quotas. Tem uma sala cedida pela Câmara Municipal de Lisboa na pista Moniz Pereira mas Bruno ambiciona ter uma sede condigna. “Um dos nossos sonhos é ter uma sede e criar um ginásio gratuito”.

Além das corridas, os atletas também participam em torneios internos de andebol, futebol e padel.

Correr Lisboa 3Bruno estima que participem habitualmente nas provas entre 500 e 600 “Vicentes”, como são conhecidos os atletas com a camisola do clube. A última edição da Corrida do Tejo teve por exemplo, mais de 250 atletas a correrem com a camisola amarela do Correr Lisboa. Impressionante!

A maior parte deles participa apenas em provas de estrada. Apenas alguns participam nos trails e na pista.

Atletas em destaque

Com tantos atletas, é inevitável vermos alguns deles subirem ao pódio nas provas populares. Tem uma vice-campeã regional de estrada e no corta-mato. Uma campeã regional dos 10 mil metros. “As mulheres eram sedentárias e agora são mais competitivas”.

“O nosso site é um canal de comunicação das marcas com as pessoas”

Combate ao sedentarismo

Correr Lisboa-logotipoÉ com orgulho que Bruno tem visto tanta gente iniciar-se na modalidade através do Correr Lisboa. “Grande parte das pessoas da cidade começaram a correr connosco. Podem depois ter seguido o seu caminho mas começaram aqui. É muito bonito ouvir alguém dizer-nos que agora é mais feliz e mais saudável por nossa causa”.

 

 

Falta um Circuito de Corridas em Lisboa

Para Bruno, há demasiadas provas comerciais na capital. Falta um Circuito de Corridas gratuitas como existe por exemplo em Oeiras. “Tal permitiria o nascimento de mais clubes e ia reduzir o número de provas comerciais. Lisboa tem provas a mais”.

O Correr Lisboa organiza duas provas: as do Circuito dos Parques de Lisboa e a Corrida D. Dinis, em Odivelas. Aqui, os atletas são convidados a irem mascarados conforme os temas sugeridos. Já houve os reis e rainhas, os super-heróis e os anos 80.

“Correr Lisboa é gratuito, vive para as pessoas. Só têm de aparecer e correr”

Eventos exclusivos

O clube organiza eventos para os seus “Vicentes” onde a atividade física e o convívio andam de braço dado. São os exemplos de uma corrida de 24 horas num parque da cidade e que é feita em estafeta, um peddy paper nas ruas da cidade e uma corrida nos túneis do reservatório de água. Também já correram dentro do Centro Comercial Colombo fechado. “Corremos lá à meia-noite, éramos 150 pessoas”.

Rede social garante independência económica

O Correr Lisboa assinou um protocolo com a autarquia em 22 de Novembro de 2014. Tem o seu apoio logístico e monetário e os patrocinadores são a principal fonte de apoio. A Adidas por exemplo, em Portugal só apoia o clube. “O nosso site é um canal de comunicação das marcas com as pessoas”.

Correr Lisboa 2E acrescenta: “Correr Lisboa é gratuito, vive para as pessoas. Só têm de aparecer e correr. Em Odivelas por exemplo, quem vem treinar e não tem onde deixar os filhos, tem uma baby sitter à disposição, através de um acordo com a autarquia”

Os subsídios chegam para o clube viver. O clube paga a inscrição e o seguro dos atletas federados. Cada atleta paga a sua inscrição nas provas populares e o seu equipamento para além da camisola que é gratuita. Segundo Bruno, gasta-se mais dinheiro com os treinos longos, os abastecimentos e o seguro de grupo.

Treinos da Nike com a camisola da Adidas

Estórias não faltam ao Correr Lisboa.“Fomos aos treinos da Nike, todos equipados pela Adidas. Foi uma brincadeira que resultou. Depois, a Nike fez o inverso com os treinos da Adidas, foi giro”.

Origem dos “Vicentes”/A lenda dos corvos de S. Vicente

Segundo a lenda que remonta à Idade Média, quando o primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques mandou trazer em 1.173 as relíquias de São Vicente, o santo padroeiro de Lisboa para a cidade, a caravela que as trouxe veio sempre acompanhada por dois corvos. Desde então, os corvos foram adotados como símbolo de proteção e lealdade nas armas da cidade.

“Correr Lisboa são os mais de 500 Vicentes que usam a nossa camisola amarela orgulhosamente em treinos e provas, em Portugal e não só”

Mexer com as pessoas

Correr Lisboa 4A terminar, incluímos um depoimento de Sandra Claro deixado no site do clube em 2014: “ Mexemos com as pessoas, mobilizamos, motivamos, ajudamos e temos conseguido fazer aquilo a que sempre nos propusemos e que é o nosso lema: pôr Lisboa a correr! O mediatismo do Correr Lisboa aconteceu naturalmente. Inicialmente não esperava este tipo de sucesso, se assim lhe posso chamar. Era uma ocupação de tempos livres. Mas depressa deixou de o ser. Passou a ser o meu emprego a tempo inteiro. Passou de um grupo informal para uma Associação desportiva, com tudo o que isso acarreta. E isso levou-nos ao reconhecimento que temos perante as marcas que nos apoiam e agora perante a Câmara Municipal de Lisboa… O Correr Lisboa não é só a Sandra e o Bruno, não é só uma equipa de 16 pessoas que voluntariamente trabalham e ajudam a Associação Correr Lisboa a crescer, o Correr Lisboa são os mais de 500 Vicentes que usam a nossa camisola amarela orgulhosamente em treinos e provas, em Portugal e não só. E por isso é que me ouvem tantas vezes a dizer: OBRIGADA! Sou obviamente grata a todos os que ajudam e gostam do Correr Lisboa e me permitem continuar a fazer o que mais gosto. Muito obrigada! Juntos, vamos pôr Lisboa a correr!”.

 

 

Deixar Resposta