Donavan Brazier acredita que pode bater recorde mundial dos 800 metros

0
155

Na noite da maior corrida da sua vida, o norte-americano Donovan Brazier  conheceu o homem que gostava de vencer e, talvez, suplantar.

Antes da final do Mundial de Doha, David Rudisha, bicampeão olímpico dos 800 metros e detentor do recorde mundial, disse a Brazier que acreditava nele, mais do que qualquer outro atleta na final daquela noite.

Brazier venceu com um novo recorde nacional de 1.42,34 e tornou-se o primeiro norte-americano a ganhar um título mundial nos 800 metros.

O recorde mundial de Rudisha de 1.40,91, numa corrida a que Brazier já visionou dezenas de vezes, é ainda significativamente mais rápido. Isso não impediu de perguntarem a Brazier se os dias de Rudisha como recordista mundial podem estar contados.

“Acho que definitivamente tenho hipóteses”, disse Brazier à NBC Sports, numa análise retrospetiva da sua participação na Liga Diamante de 2019 e títulos mundiais.

“David Rudisha, quando ele bateu o recorde pela primeira vez, era um atleta que só acontecia uma vez no século”, disse Brazier. “Um 1.40,91 é um recorde realmente difícil de bater. ”

Brazier, que começou a correr na escola em Michigan, em vez do futebol porque era “terrivelmente magro”, rapidamente se tornou um atleta a ter em conta. Em 2016, ele foi às seletivas olímpicas, sendo terceiro. Então vieram os obstáculos. Brazier foi eliminado na primeira série das eliminatórias, três semanas depois de ganhar o título da NCAA na mesma pista do Oregon. Em 2017, ele ganhou o título dos EUA, mas não conseguiu chegar à final mundial. Ele não correu ao ar livre em 2018 devido a uma lesão no pé.

Brazier olhou para 2019 como um ano de redenção. Ele atingiu uma série de sucessos: o recorde do seu país nos 800 m em pista coberta, os 600 m indoor mais rápidos do mundo na história, a sua primeira vitória na Liga Diamante, uma repetição do título nacional, o triunfo da final da Liga Diamante e a medalha de ouro em Doha.

Deixar Resposta