Ex-presidente da IAAF será julgado por corrupção

0
680

Lamine Diack, ex-presidente da IAAF, será julgado por corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro. Ele é investigado há quatro anos pelas autoridades francesas por encobrir casos de doping, extorsão e suborno no atletismo mundial.

Diack foi presidente da IAAF entre 1999 e 2015. Ele é acusado de fazer parte de uma conspiração para ocultar testes positivos de atletas russos em troca de dinheiro. O esquema também envolveu o chefe de atletismo da Rússia e tesoureiro da IAAF, Valentin Balakhnichev, o ex-técnico da seleção russa Alexei Melnikov, o antigo assessor de Diack, Habib Cissé, e o ex-chefe do departamento antidoping da IAAF, Gabriel Dollé. Todos eles negam as acusações.

Os seis citados serão julgados pelo seu papel no caso de Liliya Shobukhova, vencedora da Maratona de Londres em 2010, que pagou 600 mil dólares para encobrir violações do seu passaporte biológico, permitindo que ela competisse nos Jogos Olímpicos de Londres 2012.

De acordo com a acusação, Diack e o seu filho receberam 3,45 milhões de euros para esconder testes positivos de doping e permitir que os atletas continuassem a competir.

As autoridades francesas também estão a investigar acusações de que Diack recebeu subornos pelos seus votos em vários concursos desportivos de alto rendimento. Senegalês, ele teria controlado os votos de vários colegas africanos.

Deixar Resposta