Kipchoge critica atletas quenianos que têm falhado controlos antidoping

0
103

O campeão olímpico da maratona Eliud Kipchoge não consegue entender como os atletas de elite podem violar as regras de localização da Unidade de Integridade do Atletismo (AIU) que ele chamou de “simples”.

Kipchoge pediu aos atletas do Quénia que mudem alguns dos estilos de vida que adotaram, dizendo que essa é a causa das violações do seu paradeiro.

O detentor do recorde mundial da maratona disse que sentia realmente pena de alguns dos principais atletas do seu país, que foram suspensos ou sinalizados por violarem as regras de localização ao falharem os testes de controlo antidoping.

O medalhado de bronze da maratona olímpica de 2012, Wilson Kipsang, e o campeão mundial dos 1.500 m de 2017, Elijah Manangoi, são os últimos atletas de elite a terem sido apanhados a violar a regra do paradeiro.

Kipsang, vencedor da Maratona de Londres de 2012 e 2014, foi condenado a quatro anos de suspensão por ter falhado os testes e por ter apresentado provas falsas na sua defesa.

Manangoi, campeão da Commonwealth e da Taça Continental, foi provisoriamente suspenso por faltar três vezes aos testes e deverá ser suspenso por dois anos se for considerado culpado.

Eles juntam-se a uma longa lista de atletas quenianos que estão suspensos provisoriamente ou foram suspensos por violarem as regras de localização.

“A regra do paradeiro é muito simples e não algo complicado”.  Kipchoge disse que o seu paradeiro está em dia, tendo estado em Masai Mara no fim de semana.

“O nosso tipo de estilo de vida é o que está matando os atletas, especialmente quanto ao paradeiro, mas a maioria dos atletas pode estar limpa e não fugir de algo”, explicou Kipchoge que observou ainda, que a autodisciplina será a chave para cumprir a regra.

“Sinto por aqueles que não cumpriram as regras, mas vamos cumprir o que dizemos, para que as pessoas não pensem que estamos fugindo de alguma coisa.”

Kipchoge elogiou a AIU e o Athletics Kenya pelos seus esforços em educar os atletas sobre o doping e por propor medidas rigorosas para conter a ameaça.

Deixar Resposta