Mundial Doha/Mais três “ouros” para os Estados Unidos

0
787

Os Estados Unidos, que já lideravam a lista de medalhas e somavam quatro títulos mundiais em Doha, tiveram uma excelente 5ª jornada, com mais três triunfos (200 m, 800 m e vara, masculinos) em quatro provas.

Ao ganhar os 800 metros bem destacado, em 1.42,34, Donavan Brazier não só bateu o recorde dos Estados Unidos como conseguiu o recorde dos campeonatos e subiu a 9º de sempre. Deve-o em boa parte a Wesley Vazquez (Porto Rico), que liderou grande parte da prova passando aos 400 m em 48,99. Brazier ganhou com mais de um segundo (!) de vantagem sobre o bósnio Amel Tuka (1.43,47), que melhorou o terceiro lugar de há dois anos. O queniano Ferguson Rotich fechou o pódio (1.43,82).

Emocionante a final do salto com vara. Ia havendo surpresa quando o norte-americano Sam Kendricks, campeão em 2017 e líder do ano (6,06), só passou 5,87 à terceira tentativa, enquanto o sueco Armand Duplantis e o polaco Piotr Lisek, igualmente “limpos” até então, o haviam conseguido à segunda. Mas, depois, a 5,92, Kendriks passou à primeira enquanto Duplantis o fez à terceira e Lisek, após um derrube, prescindiu das duas tentativas seguintes, sendo eliminado a 5,97. A esta altura, Duplantis (que saltava primeiro) e Kendricks passaram apenas à terceira tentativa, mantendo-se o norte-americano à frente (5-4 em derrubes). A 6,02, Duplantis falhou as três tentativas e Kendricks pode dispensar a sua terceira. Revalidou o título.

A fechar a jornada, Noah Lyles confirmou o seu favoritismo nos 200 metros, ganhando com 19,83 (v:+0,3), à frente de Andre de Grasse (Canadá), com 19,95, e de Alex Quiñonez (Equador), com 19,98.

O outro título do dia foi australiano, no dardo feminino, prova igualmente emocionante. A chinesa Huihui Lyu, 2ª em 2015 e 3ª em 2017, dominou os quatro primeiros lançamentos, com 64,93, 65,06, 65,00 e 62,31. No 5º ensaio, a sua compatriota Shiying Liu melhorou para 65,88. Mas, no 6º, a australiana Kelsey-Lee Barber, que era quarta, conseguiu 66,56, ganhando a prova. Foi o primeiro triunfo australiano no dardo.

Para além das quatro finais, nesta 5ª jornada houve várias eliminatórias e qualificações. No martelo, o polaco Pawel Fajdek, já tri-campeão mundial, vai bem lançado para o quarto título, dominando o apuramento para a final, com 79,24 no seu único ensaio. Na altura, foram 10 os atletas a passarem à final com 2,29, mas o líder do ano, o bielorrusso Maksim Nedasekau (2,35), foi o último dos apurados, com 2,26 à segunda tentativa. Nas meias-finais dos 400 m, o melhor tempo pertenceu a Shaunae Miller-Uibo (Bahamas), campeã olímpica e vice-campeã mundial, com 49,66. E nos 200 m femininos (meias-finais), destacou-se a britânica Dina Asher-Smith, com 22,16. A jamaicana Elaine Thompson, 4ª nos 100 m mas lesionada, não se apresentou à partida.

O etíope Getnet Wale obteve o melhor tempo nos obstáculos (8.12,96) e, nas eliminatórias iniciais de 400 m, Kirani James (Granada) foi o melhor, com 44,94, enquanto, nos 400 m barreiras, a melhor marca pertenceu à norte-americana Sydney McLaughlin, com 54,45.

Irina e Liliana no 6º dia

A 6ª jornada do Mundial inclui a qualificação do disco, onde estarão (às 17.25 h) Irina Rodrigues (que aspira à presença entre as 12 finalistas) – tem a 15ª marca do ano entre as concorrentes – e (às 16 h) Liliana Cá. Para além do início do decatlo, realizar-se-ão mais três finais: martelo (M) às 19.40 h; 200 m (F) às 20.35 h; e 110 m barreiras (M) às 20.55 h.

Deixar Resposta