Presidente do COI: “levou-nos três dias a acordar o adiamento dos Jogos”

0
299

O presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), o alemão Thomas Bach, destacou este domingo o apoio e a unanimidade que houve na decisão de adiar os Jogos Olímpicos para 2021, a qual “levou três dias a acordar” e deixou claro que o COI não “vacilou” nem lhe faltou “transparência”.

Bach falou para o jornal alemão Welt e classificou como errada a impressão de que seja o “homem do saco” do mundo do desporto. “Podem ter essa impressão em certos setores da imprensa alemã mas a realidade é outra”, afirmou, antes de relatar o apoio que teve do COI no adiamento dos Jogos para 2021.

“Quando se vê que o adiamento dos Jogos foi apoiado pelos 206 Comités Olímpicos, toda as Federações, membros do COI e representantes de desportistas, a situação é bastante clara. Levou-nos só três dias a acordar o adiamento dos Jogos e outros seis a anunciar a nova data”, explicou.

Thomas Bach voltou a recordar a complexidade de adiar a data dos Jogos. “Houve todo o tipo de conspirações. Começámos a abordar a forma como o coronavírus se estava propagando a meados de Fevereiro, quando criámos um grupo especial de trabalho que incluía a Organização Mundial de Saúde (OMS)”, recordou.

“Deixámos claro que a nossa prioridade é a saúde e prevenir a expansão do vírus. Quando se expandiu à América e África, solicitei uma reunião de emergência porque até esse momento, a questão era se o Japão seria um anfitrião seguro, mas entretanto, a pergunta foi se o mundo era um convidado seguro”, acrescentou.

O presidente do COI não deu números do custo adicional do adiamento e insistiu em defender o trabalho do COI. “Realmente, não podemos ser acusados de vacilar ou falta de consulta ou transparência. Está claro que enfrentaremos várias centenas de milhões de dólares em custas adicionais”.

Deixar Resposta