Queniano Philip Cheruiyot Kangogo suspenso dois anos por doping

0
126

O queniano Philip Cheruiyot Kangogo, de 36 anos, foi suspenso por dois anos por ter testado positivo para o estimulante proibido Higenamina. A suspensão tem efeitos retroativos a 31 de Julho do ano passado.

Kangogo foi submetido ao teste antidoping durante a Maratona de Cracóvia, onde forneceu uma amostra de urina. O laboratório credenciado pela Agência Mundial Antidoping (Wada) em Varsóvia, relatou um produto proibido em 3 de Junho do ano passado.

Eles descobriram a presença de Higenamina, uma substância proibida pela lista da Wada. O atleta não tinha uma isenção de Uso Terapêutico (TUE) permitindo o uso da substância.

Três dias depois, a AIU notificou Kangogo, que foi solicitado a fornecer uma explicação até 13 de Junho do ano passado e também concedeu a oportunidade de solicitar a análise da Amostra B.

Kangogo, que insistiu que não se dopou intencionalmente, escreveu à AIU em 8 de Junho declarando que aceitava a presença de Higenamina na amostra, mas não solicitou a análise da Amostra B.

Kangogo suspeitou que a origem da Higenamina na amostra poderia ser um suplemento contaminado, pois ele forneceu detalhes adicionais sobre os suplementos que ele havia utilizado antes da Maratona de Cracóvia.

Detalhes fornecidos

O atleta também forneceu detalhes à AIU sobre as ervas que havia consumido por recomendação da sua mãe, antes da Maratona de Cracóvia.

A pedido da AIU, ele forneceu fotos das ervas e, posteriormente, amostras das ervas para a Federação do Quénia, que concordou em ajudar o atleta a identificar as ervas para determinar se elas poderiam ser responsáveis pela presença de Higenamina na amostra do atleta.

As investigações da federação queniana não conseguiram identificar as ervas em questão. Foi quando a AIU emitiu a notificação de acusação com a escolha de admitir a violação e aceitar um período de inelegibilidade de dois anos ou solicitar uma audiência no Tribunal Disciplinar, o mais tardar em 29 de Junho de 2020.

Kangogo escreveu à AIU, mas não abordou as questões substantivas levantadas na acusação ou como ele desejava que o caso prosseguisse.

O atleta em 31 de Julho admitiria ter cometido a violação e aceitaria as consequências propostas estabelecidas na acusação e, em 7 de Agosto de 2020, recebeu do seu advogado, uma admissão assinada do Formulário de Violações de Regras Antidoping e Aceitação de Consequências.

Kangogo está na lista de vários atletas quenianos que foram suspensos por um período que varia de dois a oito anos por violar a regra de paradeiro ou tomar substâncias proibidas.

O ex-recordista mundial da maratona, Wilson Kipsang, foi suspenso por quatro anos em Abril deste ano por falhas de localização e adulteração, e o tricampeão mundial de 1.500 m Asbel Kiprop também sofreu o mesmo destino.

Mercy Kibarus foi suspenso por oito anos a partir de Setembro de 2019 por presença de uma substância proibida. Kenneth Kipkemoi e Alex Oliotiptip receberam dois anos cada um, por abuso de substância e falha de localização, respetivamente.

Outros atletas quenianos que foram condenados a quatro anos de suspensão, foram Mikel Kiprotich Mutai, Vincent Kipsegechi Yator e Peter Kwemoi, após tomarem substâncias proibidas.

Há casos ainda pendentes este ano, incluindo o do campeão mundial de 1.500 m de 2017, Elijah Manangoi, o ex-vencedor da Maratona de Londres, Daniel Wanjiru, o campeão mundial Sub-20 dos 800 m de 2014, Alfred Kipketer, James Kibet e Patrick Siele.

Deixar Resposta