Recorde mundial dos 10.000 metros: De Zatopek a Cheptegei, passando por Mamede

0
115

O ugandês Joshua Cheptegei, de 24 anos, acaba de bater o recorde mundial dos 10.000 metros, em prova especialmente preparada na pista do estádio de Túria, em Valência.

Esta é uma boa oportunidade para rever alguns dos maiores fundistas mundiais que foram detentores do recorde mundial na distância.

Emil Zatopek: A “locomotiva” dos cinco recordes

O então checoslovaco Emil Zatopek ficou conhecido pelos seus 18 recordes mundiais que ele bateu entre 1946 e 1957 em diferentes distâncias. Destes 18, tivemos cinco nos 10.000 metros. O primeiro foi em Junho de 1949, em Ostrava, quando fez 29.28,2. Superou então o anterior recorde do finlandês Viljo Heino por sete segundos. Mas Heino respondeu 11 semanas depois a Zatopek com um novo recorde mundial. 52 dias depois, Zatopek reapossou-se do recorde que foi seu até 1956. Bateu-o por mais três vezes, sendo o primeiro atleta da história a baixar dos 29 minutos quando fez 25.54,2 em Bruxelas, no dia 1 de Junho de 1954.

Ron Clark, primeiro a baixar dos 28 minutos

O recorde do mundo de Zatopek cairia cinco vezes no espaço de sete anos mas ninguém ainda tinha sido capaz de baixar dos 28 minutos. Foi o australiano Ron Clarke o primeiro a atingir tal desiderato, no meeting de Oslo em 1965 com a marca fantástica de 27.39,4. Um recorde que durou sete anos até o finlandês Lasse Viren o suplantar.

A nível olímpico, Ron Clark foi apenas medalha de bronze em Tóquio 1964 e sexto no México 1968.

Fernando Mamede, recorde mundial durou mais de cinco anos

Não conquistou nenhum grande título internacional e o melhor que conseguiu foi um terceiro lugar num Campeonato do Mundo de Corta-Mato. Mas foi recordista europeu (três vezes) e mundial de 10.000 metros e, ao longo de quatro anos, entre 1981 e 1984, liderou os rankings mundiais de 5.000 (uma vez) ou 10.000 metros (três vezes).

Mas problemas de natureza psicológica, inibiram-no sempre nas grandes competições, levando-o a desistências inesperadas, de que é exemplo mais flagrante, a da final olímpica de 10.000 metros em Los Angeles’1984, quando era o grande favorito e demonstrava um excelente momento de forma.

Os três grandes feitos de Mamede foram conseguidos no início dos anos oitenta, quando bateu os recordes europeu e mundial de 10.000 metros. Primeiro, na pista do Estádio José de Alvalade, no Meeting do Sporting, quando conseguiu o primeiro recorde europeu de 27.27,7. Depois, em Paris, quando recuperou o recorde da Europa que Carlos Lopes havia batido 13 dias antes, ficando então, com 27.22,95, a menos de meio segundo do recorde mundial. Finalmente, na histórica prova de Estocolmo, quando em 1984, bateu o recorde mundial gastando 27.13,81, tempo que se manteve como recorde mundial durante mais de cinco anos.

Yobes Ondieki, o queniano que baixou dos 27 minutos

Durante muito tempo, ninguém foi capaz de baixar dos 27 minutos. Até aparecer o queniano Yobes Ondieki, medalha de ouro nos 5.000 m dos Mundiais de Tóquio 1991. Ele nunca tinha disputado os 10.000 m numa grande prova internacional. Até correr o meeting de Oslo, estávamos então em 1993. Ondieki bateu o recorde do seu compatriota Richard Chelimo, estabelecido cinco dias antes em Estocolmo. Fez 26.58,38 e entrou para a história da distância.

Haile Gebreselassie, imperador dos 10.000 metros

Gebreselassie foi talvez o maior fundista da história. Na sua distância preferida – os 10.000 m – foi bicampeão olímpico e tetra campeão mundial entre 1993 e 2000. Foi ainda recordista mundial dos 5.000 metros e o primeiro atleta depois de Zatopek a bater o recorde mundial por três vezes. O seu primeiro recorde remonta a 1995, em Hengelo, Holanda, e o último no dia 1 de Junho de 1998, outra vez em Hengelo, com 26.22,75.

Kenenisa Bekele, um recorde que durou 5.521 dias

Detentor dos dois últimos recordes mundiais – 5.000 e 10.000 metros – o etíope Kenenisa Bekele é outra lenda viva do atletismo. Estabeleceu o seu primeiro recorde mundial nos 10.000 m em 2004 com 26.20,31. Um ano mais tarde, em 26 de Agosto de 2005, no Meeting Van Damme de Bruxelas, Bekele melhorou o seu recorde para 26.17,53. Que durou precisamente até esta quarta-feira, quando Joshua Cheptegei fez 26.11,00.  

 

Deixar Resposta