Respiração e pulsação: formas de ouvir o seu corpo

0
661

Quantas vezes em plena competição e até nos treinos, encontramos atletas com uma respiração descontrolada? E quantos, ao finalizarem uma corrida, diminuem o ritmo pausadamente?

Respirar é um ato tão prosaico e habitual que nem nos damos conta que o executamos. Porém, quando falamos de atletas, sejam de fim-de-semana ou de alto rendimento, esse ato ganha contornos específicos e merece uma maior atenção.

Na vida de um atleta, o ato de respirar está associado ao desempenho, à fadiga e à qualidade da atividade desportiva. A respiração é um parâmetro de como se está desenvolvendo o treino, uma referência dos limites do corpo.

Não pretendemos discutir como se deve respirar durante uma prática, se devemos soltar o ar pela boca ou pelo nariz, se devemos inspirar de forma breve ou prolongada. Questões como essas são muito discutidas e estudadas entre fisiologistas do exercício e educadores físicos. O que se pretende é discutir os aspetos psicológicos do cuidado com a respiração.

Respirar, ou melhor, atentar a respiração pode ser um momento precioso em que o praticante de um desporto pode tomar consciência do seu esforço, da sua capacidade. Pode até ser um momento de tomar a decisão de mudar a estratégia de uma prova. Estar atento à respiração é uma boa oportunidade de tomar consciência das condições do seu corpo.

Fique atento a como respira em repouso – quando está vendo televisão por exemplo – verifique: a sua inspiração é mais longa ou mais breve que a expiração? Realiza movimentos abdominais enquanto respira? Qual é o tempo de um ciclo respiratório inteiro?

Quando estiver iniciando o exercício, verifique as mesmas coisas, bem como durante todas as fases do treino e até meia hora depois do seu final e compare cada uma delas. Perceberá diferentes momentos, formas distintas de respirar em momentos diversos.

Depois de ter feito essa observação, vamos torná-la mais refinada. Enquanto respira, imagine o ar entrando e saindo pelas suas narinas ou boca, tente traçar o caminho que ele faz até ao seu pulmão, imagine-o dilatando e esvaziando, tente sentir a quantidade de ar que está capturando e expelindo.

Finalmente, tente relacionar a sua respiração com o seu pulso sanguíneo, sinta o que acontece com o seu coração nos mais diversos tipos de respiração, imagine a quantidade de sangue e o percurso do sangue em cada batida.

Sabia que normalmente, respiramos meio litro de ar, quanto a nossa real capacidade é de quatro litros por respiração?

Se conseguir tomar consciência da sua respiração e pulsação, conseguirá perceber qual é o estado do seu corpo no momento exato do treino e poderá traçar estratégias para reduzir a fadiga ou evitá-la durante uma prova de longa duração, por exemplo.

Num sentido mais amplo, poderá controlar melhor as suas reservas de energia, irá perceber o exato momento de dar um sprint ou de diminuir um pouco o ritmo, de mudar o padrão respiratório e tentar uma recuperação.

Poderá sentir a melhor hora de hidratar-se ou de suplementar-se, pois a atenção à sua respiração, coloca-lo-á em contacto com o seu corpo. Terá um indicador subjetivo do seu treino, sendo capaz de imprimir um ritmo mais leve ou pesado conforme o seu técnico solicitar, ou conforme planear para aquele dia.

Resumindo: Atentar na respiração e na pulsação, possibilita uma escuta das linguagens do corpo. O seu corpo está a toda hora dizendo-lhe sobre si. É preciso saber escutá-lo.

Respire melhor e conheça-se melhor

Respirar não só traz oxigénio para os nosso pulmões, como também ajuda a trabalhar a nossa mente e a conhecer melhor o nosso organismo. E também devemos considerar que a respiração é algo em que normalmente colocamos pouca ou nenhuma atenção.

Sabia que normalmente, respiramos meio litro de ar, quando a nossa real capacidade é de quatro litros por respiração?

Através dela, podemos controlar a ansiedade, diminuir a agressividade num momento de explosão, controlar também o medo… Assim como nos ajuda a ter uma maior concentração e focalização para os desafios no dia-a-dia.

No caso da corrida, podemos fazer uso da mesma para controlarmos a nossa frequência cardíaca. Caso não faça uso de um pulsímetro ou tenha contratado um Personal Trainer, pode respeitar a sua condição física, prestando atenção à sua respiração.

Quando iniciamos uma corrida, entramos em deficit de oxigénio, logo depois há um estado de equilíbrio no ritmo da respiração. Caso não alcance este estado de equilíbrio e continue muito ofegante, deverá diminuir o ritmo da corrida.

Outra dica que a respiração nos oferece é quando finalizamos a corrida, ser necessário diminuir o ritmo pausadamente, pois a pausa imediata poderá até causar paragem cardíaca.

É importante após a corrida, andar até que a respiração novamente se normalize, ou seja, que a quantidade de oxigénio seja regulada para a quantidade de esforço empregada.

Preste atenção na respiração enquanto corre, só o facto de estar atento a ela, demonstra que está concentrado no exercício que está fazendo, e o que é mais importante, que está controlando o seu corpo, o seu treino ou prova, e não se está deixando levar por eventos externos.

Os atletas que controlam o seu treino ou prova pelo ritmo do seu corpo, atingem melhores resultados do que aqueles que se regulam por outros atletas. A explicação é simples: sobre o seu corpo e o seu treino, o atleta tem um  controlo total, sobre o treino do outro, nenhum. Isso quer dizer que numa prova longa, uma maratona ou um triatlo, estabeleça uma estratégia de prova, e ao ser ultrapassado confie na sua estratégia, no seu corpo e no seu treino, não precisa ir “buscar”.

No dia-a-dia, a respiração feita com qualidade também nos pode ajudar a ter uma maior condição para a corrida pois respirando melhor, estará: oxigenando melhor todo o seu corpo, ficando menos stressado, com maior capacidade cerebral e logicamente, com maior disposição para realizar os seus exercícios físicos.

Os orientais acreditam que quando uma pessoa nasce, é-lhe designado um número exato de respirações para esta vida, ou seja, vive mais quem mais devagar e preenchendo os pulmões respirar. Pense nisso!

De: Marcus Teshainer s por respiração?

Deixar Resposta