Rui Teixeira e Dulce Félix dominaram fraquíssima época de corta-mato

2
1064

Com apenas um atleta no Mundial e a pior presença de sempre no Europeu, a época nacional de corta-mato foi muito fraca, confirmando a profunda crise que afeta o meio-fundo/fundo nacional e que se irá acentuar à medida que as principais atletas (e o campeão nacional Rui Teixeira) forem terminando as suas já longas carreiras.

rui teixeira 1Rui Teixeira, campeão nacional e com uma presença digna no Mundial, e Dulce Félix, que regressou à melhor forma e se sagrou folgada campeã nacional, foram os melhores do ano. Mas a presença no Europeu foi elucidativa: as equipas seniores foram apenas 12ª (entre 14 femininas e 16 masculinas), a estafeta mista 10ª (entre 12); nos sub’23, 12ª masculina (em 16) e 13ª feminina (em 13); e nos juniores, 11ª masculina (em 17) e 9ª feminina (em 14). Muito fraco a todos os níveis…

Mas vejamos as classificações dos atletas que estiveram nas competições internacionais e de Dulce Félix, que se limitou ao Campeonato de Portugal:

MASCULINOS:
CP TCE CM CE
Rui Teixeira (SCP) 42º
Licínio Pimentel (SCP) 15º
Miguel Marques (SCP) 27º 45º
António Silva (SCP) 62º
Alberto Paulo (SCP) 11º 29º
Rui Pedro Silva (SCP) D 54º
Rui Pinto (SLB) D 35º
André Pereira (SLB) 49º
FEMININOS:
CP TCE CM CE
Dulce Félix (SLB)
Catarina Ribeiro (SCP) 58ª
Salomé Rocha (SCP) 48ª
Sara Moreira (SCP) D
Jéssica Augusto (SCP) D 13ª D
Inês Monteiro (SCP) 20ª 41ª
Cátia Santos (GDE) 65ª

MASCULINO:

1º RUI TEIXEIRA (SPORTING)

Não esteve no Europeu nem na Taça dos Clubes Campeões Europeus, mas sagrou-se novamente campeão nacional (já o havia sido há dois anos) e não desmereceu no Mundial com um 42º lugar que iguala a melhor posição nacional desde 2004, sendo ainda o 7º europeu (embora estes tenham sido bem poucos…).

2º LICÍNIO PIMENTEL (SPORTING)

Aos (quase) 42 anos, ainda foi vice-campeão nacional e o melhor português (15º) na equipa do Sporting que esteve na Taça dos Clubes Campeões Europeus.

3º MIGUEL MARQUES (SPORTING)

Com 24 anos, é quase uma honrosa exceção entre aqueles que recentemente chegaram a primeiro plano nacional: fechou o pódio do Campeonato de Portugal, foi 27º na Taça dos Campeões e o segundo português no Europeu.

DESILUSÃO: RUI PINTO (BENFICA)

Fora do pódio fica aquele que é o mais talentoso dos atuais fundistas mas que continua bastante irregular, desistindo (pela segunda vez em quatro anos) no Campeonato de Portugal. A vitória no Nacional de Crosse Curto tem significado muito limitado.

FEMININO:

1ª DULCE FÉLIX (BENFICA)

Regressou à sua melhor condição depois de ser mãe e sagrou-se campeã nacional, sem margem para dúvidas, pela sétima vez, quatro anos depois de terminar um ciclo de seis vitórias consecutivas. A paragem ter-lhe-á sido bem benéfica em termos de prolongamento da carreira.

2ª CATARINA RIBEIRO (SPORTING)

Depois do título do ano passado, foi agora 2ª no Nacional e 5ª na Taça dos Campeões (melhor portuguesa), confirmando-se como a melhor especialista do seu clube no corta-mato.

3º SARA MOREIRA (SPORTING)

Bem menos à vontade no crosse que na estrada ou pista, ficou fora do pódio no Nacional e desistiu no Europeu, mas o 6º lugar na Taça dos Campeões foi importante para o Sporting.

DESILUSÃO: JÉSSICA AUGUSTO (SPORTING)

Uma época marcada por problemas físicos e duas desistências, no Nacional e no Europeu, e um mediano 13º lugar na Taça dos Campeões.

Referência ainda para as vitórias de Miguel Marques (sobre André Pereira) e de Inês Monteiro (sobre Ercília Machado) no Cross de Torres Vedras, e de Luís Saraiva e Neide Dias (uma agradável surpresa, depois, no Nacional, sendo 5ª) no Cross de Amora, os dois principais a nível nacional, já que o das Amendoeiras foi “diluído” na Taça dos Clubes Campeões Europeus. No Nacional de Crosse Curto (que já não se justifica…), triunfaram Rui Pinto e a júnior Mariana Machado, sem a presença do Sporting. Esta é, agora, a grande esperança do meio-fundo feminino…

A nível clubístico, o domínio do Sporting foi completo, face a um Benfica que praticamente se limita a Dulce Félix no setor feminino e limitou drasticamente o masculino, poucos anos depois de fortes apostas nas equipas juniores… Para além dos títulos nacionais, o Sporting renovou o título europeu feminino e foi terceiro no setor masculino, com reforços quenianos (1ª e 2º classificados)… que nem eram necessários. Mas as principais potências (Espanha e Turquia à parte) têm os melhores atletas distribuídos por vários clubes e nunca apostaram minimamente na competição…

Sporting (juniores masculinos e juvenis femininos), Benfica (juvenis masc.) e Maia AC (juniores fem.) sagraram-se campeões nos escalões jovens, com destaque para a formação nortenha, no pódio em dois dos outros campeonatos. Mas há que colocar sempre reservas nas classificações dos escalões jovens (em especial nos juvenis). Basta verificar que, nos últimos 23 anos (desde 1997), dos campeões nacionais juvenis, apenas Inês Monteiro (campeã em 1997), Jéssica Augusto (1998), Rui Pedro Silva (1997), António Silva (2004), Bruno Albuquerque (2006) e Rui Pinto (2009) atingiram primeiro plano nacional em corta-mato e Luís Miguel Borges nos obstáculos. Considerando os campeões até 2013 (os quais teriam sido juniores e sub’23 até em 2018 e seniores este ano), onde estão os outros 27 campeões juvenis masculinos e femininos?

OS PÓDIOS ANUAIS DA REVISTA ATLETISMO (MASCULINOS)

1999 1º Paulo Guerra 2º Eduardo Henriques 3º Domingos Castro
2000 1º Eduardo Henriques 2º Domingos Castro 3º Paulo Guerra
2001 1º Paulo Guerra 2º Hélder Ornelas 3º Paulo Gomes
2002 1º Eduardo Henriques 2º Paulo Guerra 3º António Pinto
2003 1º Eduardo Henriques 2º Domingos Castro 3º Hélder Ornelas
2004 1º Fernando Silva 2º Eduardo Henriques 3º Manuel Damião
2005 1º Fernando Silva 2º Ricardo Ribas 3º Alfredo Brás
2006 1º Fernando Silva 2º Eduardo Henriques 3º Luís Jesus
2007 1º Rui Pedro Silva 2º Paulo Guerra 3º Ricardo Ribas
2008 1º Eduardo Henriques 2º Rui Silva 3º Ricardo Ribas
2009 1º Rui Pedro Silva 2º José Rocha 3º Eduardo Mbengani
2010 1º Youssef el Kalai 2º Licínio Pimentel 3º Eduardo Mbengani
2011 1º Youssef el Kalai 2º José Rocha 3º Manuel Damião
2012 1º José Rocha 2ª Manuel Damião 3º Rui Teixeira
2013* 1º Manuel Damião 2º José Rocha 3º Alberto Paulo
2014* 1º Manuel Damião 2º Rui Pedro Silva 3º Rui Pinto
2015 1º Rui Pinto 2º Rui Pedro Silva 3º Licínio Pimentel
2016 1º Nelson Cruz 2º Ricardo Ribas 3º Rui Teixeira
2017 1º Rui Pinto 2º Licínio Pimentel 3º Samuel Barata
2018* 1º Rui Pinto 2º Rui Teixeira 3º Samuel Barata
2019 1º Rui Teixeira 2º Licínio Pimentel 3º Miguel Marques
* não publicado

OS PÓDIOS ANUAIS DA REVISTA ATLETISMO (FEMININOS)

1999 1ª Fernanda Ribeiro 2ª Helena Sampaio 3ª Ana Dias
2000 1ª Carla Sacramento 2ª Fernanda Ribeiro 3ª Helena Sampaio
2001 1ª Carla Sacramento 2ª Analídia Torre 3ª Anália Rosa
2002 1ª Carla Sacramento 2ª Helena Sampaio 3ª Anália Rosa
2003 1ª Fernanda Ribeiro 2ª Anália Rosa 3ª Ana Dias
2004 1ª Anália Rosa 2ª Helena Sampaio 3ª Ana Dias
2005 1ª Anália Rosa 2ª Mónica Rosa 3ª Inês Monteiro
2006 1ª Anália Rosa 2ª Ana Dias 3ª Jéssica Augusto
2007 1ª Jéssica Augusto 2ª Anália Rosa 3ª Mónica Rosa
2008 1ª Jéssica Augusto 2ª Leonor Carneiro 3ª Inês Monteiro
2009 1ª Inês Monteiro 2ª Jéssica Augusto 3ª Anália Rosa
2010 1ª Jéssica Augusto 2ª Dulce Félix 3ª Sara Moreira
2011 1ª Dulce Félix 2ª Jéssica Augusto 3ª Sara Moreira
2012 1ª Dulce Félix 2ª Anália Rosa 3ª Leonor Carneiro
2013* 1ª Dulce Félix 2ª Sara Moreira 3ª Salomé Rocha
2014* 1ª Dulce Félix 2ª Salomé Rocha 3ª Catarina Ribeiro
2015 1ª Dulce Félix 2ª Sara Moreira 3ª Catarina Ribeiro
2016 1ª Salomé Rocha 2ª Dulce Félix 3ª Catarina Ribeiro
2017 1ª Jéssica Augusto 2ª Salomé Rocha 3ª Daniela Cunha
2018* 1ª Catarina Ribeiro 2ª Sara Moreira 3ª Inês Monteiro
2019 1ª Dulce Félix 2ª Catarina Ribeiro 3ª Sara Moreira
* não publicado

2 Comentários

Deixar Resposta