Rússia aguarda a sentença da World Athletics

0
161

A Rússia aguarda a decisão do Conselho Diretivo da World Athletics que pode deixar de fora dos Jogos Olímpicos de Tóquio os atletas russos incluídos na categoria de neutros. A decisão será tomada pelo organismo que se reúne desde hoje, no Mónaco.

O atletismo russo, impedido de competir desde 2015 por doping, poderá ser expulso de maneira definitiva da World Athletics, por não ter pago a multa de cinco milhões de dólares até 1 deste mês.

Em Março último, a World Athletics havia limitado a dez o número de atletas neutros que a Rússia podia enviar aos Jogos Olímpicos, Mundiais e Europeus e pôs como condição, o pagamento dessa multa pela Federação Russa de Atletismo (FRA).

“A Federação Russa não dispõe de meio económicos para o pagamento da multa imposta pela World Athletics”, disse Evgueni Yurchenko, presidente da FRA, que acabou por se demitir do cargo, duas semanas após o vencimento do prazo. Segundo Yurchenko, a Federação fez “todo o possível” para encontrar o dinheiro mas foi “impossível”, entre outras coisas, pela crise económica provocada pela pandemia do coronavírus.

O ministro dos Desportos da Rússia, Oleg Matitsin, escreveu aos presidentes da World Athletics, Sebastian Coe, e do Comité Olímpico Internacional, Thomas Bach, pedindo que não sejam os desportistas russos a pagar pelos pecados dos antigos dirigentes da FRA.

Também numa carta enviada ontem à World Athletics, a Federação Russa pede ao organismo para adiar a sua decisão de uma provável exclusão.

“Quero acreditar que evitaremos a exclusão total mas não há praticamente possibilidades. Se as houvesse, os meios informativos teriam filtrado algo”, disse à agência oficial russa TASS, Irina Privalova, campeã olímpica dos 400 m barreiras em Londres.

A tricampeã mundial do salto em altura, Maria Lasitskene, responsabilizou a situação ao ex-presidente da FRA. “Independentemente de como se desenvolver a situação a partir de agora, está claro que Yurchenko não cumpriu com as suas obrigações ante os desportistas. E, na realidade, nos últimos meses demonstrou ser um dirigente débil”, disse Lasitskene.

Deixar Resposta