10.000 metros: Mamede recordista do Mundo, Lopes e Pinto recordistas da Europa!

0
2694

A história dos 10.000 metros nacionais é de luxo, com medalhados olímpicos, campeões da Europa, recordistas do Mundo e da Europa, líderes anuais, etc. No topo, três nomes: Fernando Mamede, Carlos Lopes e António Pinto. Entre 1981 e 1984, Portugal liderou os rankings mundiais, através de Fernando Mamede (1981, 1982 e 1984) e Carlos Lopes (1983). E em sete anos, de 1980 a 1985 e, depois, em 1995, foram portugueses os líderes europeus do ano. No top’3 europeu, nas décadas de oitenta e noventa do século passado, atletas portugueses apareceram nada menos de 17 vezes!

Fernando Mamede nunca foi feliz em grandes competições, mas foi recordista europeu, com 27.27,7 em 1981 (em Lisboa) e 27.22,95 em 1982, e recordista mundial, com 27.13,81 em 1984. E, ao longo de seis anos (1980/1985), esteve no top’3 europeu e no top’4 mundial.

Já Carlos Lopes conseguiu a medalha de prata olímpica em Montreal’1976 e chegou ao recorde europeu com 27.24,39 em 1982, entre dois dos recordes de Mamede.

Uns anos mais novo, António Pinto, campeão europeu em 1998, viria a bater o recorde europeu de Mamede no ano a seguir, com 27.12,47, ainda recorde nacional.

A história do recorde nacional de 10.000 metros tem vários passos curiosos. Em 1953, Filipe Luís foi o primeiro a baixar dos 32 minutos e logo com 31.38,4. No ano a seguir, José Araújo melhorou (substancialmente) para 31.03,0 e Júlio Silva tornou-se o primeiro sub’31m, com 30.59,0. Em 1957, Manuel Faria, famoso pelos seus históricos triunfos na S. Silvestre de S. Paulo, melhorou o recorde por três vezes, até aos 30.44,4. Sucedeu-lhe Armando Aldegalega, com 30.31,2 em 1965. Depois, foi a vez de um curioso despique entre Manuel Oliveira e Anacleto Pinto, que alternaram o recorde. Oliveira conseguiu 30.15,6 em 1965 e 30.03,6 em 1968; Anacleto melhorou para 30.05,8 em 1967 e 29.57,6 em 1968. Até que apareceu Carlos Lopes, que bateu o recorde nada menos de oito vezes, de 29.28,0 em 1971 ao recorde europeu de 27.24,39 em 1982, sucedendo a Fernando Mamede, que depois retomaria os recordes nacional e europeu e juntaria o recorde mundial, em 1984. Quinze anos depois, António Pinto terminava a história do recorde nacional… até ver.

Outros nomes em destaque nos 10.000 m foram os de Domingos Castro, 5º no Europeu de 1986, 6º no Mundial de 1997 e quatro vezes no top’3 europeu do ano (3º em 1989, 2º em 1992 e 1993, 1º em 1995); Paulo Guerra, 5º no Europeu de 1994, 8º no Mundial de 1995 e 3º europeu em 1994; João Junqueira, 6º no Europeu de 1994.

Dos 11 portugueses que baixaram dos 28 minutos, apenas José Ramos (27.56,30 em 2000) e Rui Silva (27.53,55 em 2011) o fizeram neste século.

Os atletas mais vezes campeões nacionais são já bem antigos: António Almeida, 8 vezes entre 1925 e 1932; Filipe Luís 6 vezes entre 1942 e 1953; Armando Aldegalega, 5 vezes, entre 1962 e 1971. Este é o mais internacional: correu 24 vezes os 10.000 m em confrontos internacionais entre 1959 e 1977, à frente de José Ramos (18) e Carlos Lopes (17).

Entre os mais jovens, José Santos detém o recorde nacional júnior desde 1989, com 29.25,10, e conseguiu a melhor classificação internacional, ao ser 4º no Europeu de Juniores desse ano.

RECORDES NACIONAIS
Absolutos António Pinto Maratona CP 27.12,47 1999
Sub’23 António Pinto FC Porto 28.01,00 1988
Juniores José Santos J. Castanheira 29.25,10 1989
OS + CAMPEÕES DE PORTUGAL
António Almeida 8 (1925-1932)
Filipe Luís 6 (1942-1953)
Armando Aldegalega 5 (1962-1971)
Manuel Nogueira 4 (1939-1943)
João Silva 4 (1944-1948)
Domingos Castro 4 (1986-1993)
OS + INTERNACIONAIS
Armando Aldegalega 24 (1959-1977)
José Ramos 18 (1994-2012)
Carlos Lopes 17 (1967-1982)
Anacleto Pinto 12 (1966-1977)
RECORDES DOS CAMPEONATOS NACIONAIS
Absolutos Paulo Guerra Maratona CP 27.52,44 1994
Sub’23 Samuel Barata SL Benfica 29.26,96 2015
PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES NAS GRANDES COMPETIÇÕES
JO 13 Carlos Lopes 27.45,17 Montreal 1976
13º António Pinto Seoul 1988
14º José Ramos Sydney 2000
CM 16 António Pinto Sevilha 1999
Carlos Lopes Helsínquia 1993
Domingos Castro 27.36,52 Atenas 1997
Paulo Guerra Gotemburgo 1995
11º Ezequiel Canário Roma 1987
11º Domingos Castro Gotemburgo 1995
11º Rui Silva Daegu 2011
14º Fernando Mamede Helsínquia 1983
CE 22 António Pinto Budapeste 1998
Carlos Lopes 27.47,95 Atenas 1982
Domingos Castro Estugarda 1986
Paulo Guerra Helsínquia 1994
João Junqueira Helsínquia 1994
Ezequiel Canário Split 1990
Yousef el Kalay Barcelona 2010
Nota: a seguir à competição (J. Olímpicos, C. Mundo, C. Europa), indica-se o número de atletas portugueses presentes

no conjunto de todas as edições, as classificações no top’16 (JO, CM) ou top’8 (CE), os melhores tempos nacionais na

prova e os locais e anos dessas classificações.

PORTUGUESES NA TAÇA DA EUROPA/EUROPEU DE SELEÇÕES
Mais presenças:
Anacleto Pinto 3 (1967-1977)
Melhor marca: Fernando Mamede 27.32,85 (1983)
Melhores classificações:
– Na I Liga: 1º José Ramos 1995
Nota: a prova apenas se realizou até 1995, inclusive
PORTUGUESES NOUTRAS COMPETIÇÕES
Campeonato da Europa de Sub’23:
Manuel Magalhães 1997
Campeonato do Mundo de Juniores:
Domingos Lopes 1990
Campeonato da Europa de Juniores:
José Santos 1989
António Fonseca 1995
Manuel Pereira 1987
Filipe Vitorino 2017
Pedro Dias 1989
Jogos Mundiais Universitários/Universíadas
José Dias 1995
Samuel Barata 2017
Luís Novo 1997
Rafael Marques 1985
Luís Horta 1983
PORTUGUESES NO TOP’3 EUROPEU DO ANO
Fernando Mamede 1980 27.37,88 (3º)
Fernando Mamede 1981 27.27,7m (1º)
Fernando Mamede 1982 27.22,95 (1º)
Carlos Lopes 1983 27.23,44 (1º)
Fernando Mamede 1984 27.13,81 (1º)
Fernando Mamede 1985 27.41,09 (4º)
Domingos Castro 1995 27.48,19 (22º)
Carlos Lopes 1982 27.24,39 (2º)
Carlos Lopes 1984 27.17,48 (2º)
Domingos Castro 1992 27.39,03 (8º)
Domingos Castro 1993 27.34,53 (12º)
António Pinto 1994 27.48,1m (12º)
António Pinto 1998 27.15,76 (6º)
António Pinto 1999 27.12,47 (7º)
Fernando Mamede 1983 27.25,13 (3º)
Domingos Castro 1989 27.36,00 (6º)
Paulo Guerra 1994 27.52,44 (14º)
Nota: apresenta-se na última coluna o lugar no ranking mundial do ano
PORTUGUESES NO TOP’5 MUNDIAL DO ANO
Fernando Mamede 1981 27.27,7m (1º)
Fernando Mamede 1982 27.22,95 (1º)
Carlos Lopes 1983 27.23,44 (1º)
Fernando Mamede 1984 27.13,81 (1º)
Carlos Lopes 1982 27.24,39 (2º)
Carlos Lopes 1984 27.17,48 (2º)
Fernando Mamede 1980 27.37,88 (1º)
Fernando Mamede 1983 27.25,13 (3º)
Fernando Mamede 1985 27.41,09 (1º)
Nota: apresenta-se na última coluna o lugar no ranking europeu do ano

 

Deixar Resposta