35 atletas desafiaram “As Voltas do Impossível” na Serra da Freita

0
116

A ideia foi do José Moutinho e 35 atletas aceitaram o desafio: correr cinco voltas na Serra da Freita, lembrando a corrida ao volfrâmio na década de 40, aquando da Grande Guerra, pelos mineiros conhecidos como “os Pilhas”, que procuravam, nas imediações da Serra da Freita, e em duras provações, esse metal usado no fabrico de armas.

Com esta realidade histórica em mente, “As Voltas do Impossível” recriaram vários rituais simbólicos em homenagem aos “Pilhas”. A dureza da prova ficou refletida no facto de nenhum dos 35 participantes ter sido capaz de concluir as cinco voltas impossíveis.

Cada volta tinha 21 km. Mário Elson e Pedro Marques foram os primeiros a terminar a 1.ª volta, no tempo de 2h59. Depois, apenas 8 dos 35 atletas conseguiram completar a 3ª volta impossível, com Guilherme Lourenço e Mário Elson a disputarem a chegada à meta.

Para os participantes nesta aventura que se disputou no passado dia 3, a prova tem tanto de impossível como de inesquecível. Eis o depoimento de dois deles:

“Apesar de não ter dado as 5 voltas, faço um balanço positivo. Da minha parte, meto-a no topo das provas mais duras e mais espetaculares em Portugal. (…) Todos nós sabíamos que isto era praticamente impossível, mas todos nós gostaríamos de ter o nosso nome na pedra.” Mário Elson

 “Se é possível? (risos) Não, não é possível, do todo. (…) Mas eu adorei, diverti-me muito, a primeira volta foi boa, mas a segunda foi qualquer coisa.”  Alice Lopes

 José Moutinho, Grão-Mestre da Confraria Trotamontes, gostou do que viu: “O espírito, entre todos os 35 atletas, foi de grande companheirismo. Até ao fim, acreditaram que seria possível verem o seu nome gravado na rocha de xisto.”

Maio de 2021 foi a data escolhida para a próxima edição. Quantos irão desafiar as voltas impossíveis?

Deixar Resposta