400 metros: O fenómeno Ricardo Santos num historial apenas caseiro

2
2749

 

Portugal nunca brilhou a nível internacional em 400 metros, apesar de vários bons valores que integram a lista dos antigos recordistas nacionais. A exceção foi Vítor Ricardo dos Santos, nascido em Lisboa mas em Inglaterra desde os dois anos de idade, que, ainda quase júnior (não o era por escassos 13 dias) foi o melhor dos não apurados para a final do Europeu de Zurique’2014, batendo por duas vezes o recorde nacional, pela primeira vez abaixo dos 46 segundos: 45,81 e 45,74. Não voltou a esse nível mas continuou a ser o melhor português, numa especialidade que teve apenas cinco olímpicos, um atleta em Mundiais e três em Europeus.

O primeiro olímpico foi Armando Cortesão, logo em Estocolmo’1912, aquando da primeira presença do atletismo nacional. Foram precisos mais 40 e 60 anos para que Fernando Casimiro (Helsínquia’1952) e Fernando Silva (Montreal’1972) se lhe seguissem. E é de José Carvalho (37º em 1976, antes de se dedicar preferencialmente às barreiras) a melhor classificação nacional.

Na evolução do recorde de 400 metros, Francisco Bastos foi o primeiro grande nome, ao melhorar os 52,3 de Glória Alves em 1938 para 52,1 e 51,2, em 1940. Depois, salientaram-se Sampaio Peixoto, com 50,0 em 1945; Fernando Casimiro, com 49,3 em 1951 (tempo igualado no Brasil por Natal dos Santos em 1956 mas só conhecido por cá várias décadas depois…); Fernando Castro, com 49,1 em 1957; Valentim Baptista, que começou com 49,1 em 1958 e foi até 47,9 em 1963; o moçambicano José Magalhães, com 47,7 em 1967 e 1968; Barceló de Carvalho (depois mais conhecido pela sua carreira artística como Bonga), com 47,2 em 1969; e Fernando Silva, com os mesmos 47,2 em 1972 e 1973. Os tempos eletrónicos chegaram no final da década de setenta, com José Carvalho a conseguir 47,00 em 1978, recorde que ele melhoraria para 46,7 (novamente manuais) em 1978 e 1981. Álvaro Silva conseguiu 46,81 em 1986 e, depois, surgiu o caso curioso de dois irmãos gémeos a baterem o recorde com um mês de intervalo, em 1989: Pedro Curvelo obteve 46,66 em julho; Paulo Curvelo melhorou para 46,58 em agosto. Mas este recorde durou apenas uma semana, sendo batido por Filipe Lombá, com 46,42. Uns anos depois surgiu Carlos Silva, com 46,33 e 46,22 em 1995 e 46,11 em 1996. Este recorde durou nada menos de 18 anos, até surgir Vítor Ricardo Santos.

O maior número de internacionalizações pertence a dois atletas das décadas de 50 e 60, Fernando Castro e Valentim Baptista, ambos com 12, mais uma que Barceló de Carvalho e mais duas que José Carvalho, que tem um total de 72 provas feitas, maioritariamente nos 400 m barreiras (28), 4×400 m (21) e 110 m barreiras (13).

José Carvalho é o segundo atleta com mais títulos nacionais (nada menos de 36, apenas menos um que Matos Fernandes), mas “apenas” cinco foram conquistados nos 400 m (contra 10 nos 4×400 m e sete nos 110 e 400 m barreiras). Nos 400 m, igualou Fernando Castro, cinco vezes campeão entre 1956 e 1961. Curiosamente, o recorde dos campeonatos pertence a Paulo Curvelo, com 46,58 (recorde nacional) em 1989. Carlos Silva foi quem mais se distinguiu no Europeu de Seleções (antiga Taça da Europa), ao ser 3º na I Liga de 1995, com 46,22, recorde nacional.

Nos escalões jovens, José Mendes, recordista nacional de juvenis e juniores (desde 1989 e 1991), foi quem mais se distinguiu, ao ser 7º no Europeu de Juniores de 1991. Vítor Jorge (48,63 em 1991) reparte com ele o recorde juvenil. Neste século, e excetuando Vítor Ricardo dos Santos, os 400 metros entraram em crise de valores…

RECORDES NACIONAIS
Absolutos Vítor Ricardo Santos SL Benfica 45,74 2014
Sub’23 Vítor Ricardo Santos SL Benfica 45,74 2014
Juniores José Mendes CDUP 47,20 1991
Juvenis José Mendes CDUP 48,63 1989
Vítor Jorge Proença-a-Nova 48,63 1991
OS + CAMPEÕES DE PORTUGAL
Fernando Castro 5 (1956-1961)
José Carvalho 5 (1975-1983)
António Júlio Dias 4 (1926-1930)
Valentim Baptista 4 (1954-1964)
Vítor Moreno 4 (1998-2003)
Vítor Ricardo Santos 4 (2014-2017)
OS + INTERNACIONAIS
Fernando Castro 12 (1955-1962)
Valentim Baptista 12 (1958-1965)
Barceló Carvalho 11 (1967-1970)
José Carvalho 10 (1971-1982)
RECORDES DOS CAMPEONATOS NACIONAIS
Absolutos Paulo Curvelo SL Benfica 46,58 1989
Sub’23 Alberto Jorge SL Benfica 47,0m 1987
Juniores Alberto Jorge SL Benfica 47,56 1984
Juvenis Duarte Basílio Bairro Anjos 48,78 1992
 PRINCIPAIS  CLASSIF.  NAS GRANDES COMPETIÇÕES
5 37º José Carvalho Montreal 1976
Filipe Lombá 47,57 Seoul 1988
1 37º Filipe Lombá 47,37 Tóquio 1991
 3 Vítor Ricardo Santos 45,74 Zurique 2014

Nota: a seguir à competição (J. Olímpicos, C. Mundo, C. europa), indica-se o número de atletas portugueses presentes no conjunto de todas as edições, as classificações no top’16 (JO, CM) ou top’8 (CE), os melhores tempos nacionais na prova e os locais e anos dessas classificações.

PORTUGUESES NA TAÇA DA EUROPA/EUROPEU DE SELEÇÕES
Mais presenças:
Vítor Ricardo Santos 4 (2013-2017)
Vítor Jorge 3 (1994-2000)
Vítor Moreno 3 (2001-2003)
Paulo Ferreira 3 (2005-2007)
Melhor marca: Carlos Silva 46,22 (1995)
Melhores classificações:
– Na Superliga: 9º João Ferreira 2009
– Na I Liga: 3º Carlos Silva 1995

PORTUGUESES NO TOP’8 DE OUTRAS COMPETIÇÕES

Campeonato da Europa de Sub’23:
10º Vítor Ricardo Santos 2015
Campeonato do Mundo de Juniores:
15º Rui Costa 1994
Campeonato da Europa de Juniores:
José Mendes 1991
Festival Olímpico da Juventude Europeia:
Duarte Basílio 1991
Carlos Pinheiro 2005

A seguir: 800 metros (M)

(Este artigo ficará igualmente arquivado no site www.atletismo-estatistica.pt)

2 Comentários

  1. Está errado aparece o David Lima erradamente no quadro das principais classificações em grandes competições. Ele foi é aos 200m, não aos 400m.

    • Caro Arlindo,
      Muito obrigado pela chamada de atenção. Já retificámos o erro.
      Cumprimentos,
      Manuel Sequeira

Deixar Resposta