Altura: Grandes nomes mas…apenas para consumo interno

3
2753

Juntamente com o lançamento do dardo, o salto em altura é uma das provas masculinas sem qualquer presença nacional nas grandes competições – Jogos Olímpicos, Campeonatos do Mundo e da Europa (a única exceção é Rafael Gonçalves num Europeu de pista coberta). E nas competições jovens não houve qualquer classificação em lugar de finalista (8 primeiros).

A história do salto em altura nacional tem grandes nomes, mas para consumo interno. Desde logo, os recordistas nacionais. E o primeiro recorde relevante foi conseguido por Pascoal de Almeida, que entre 1913 e 2015 (há mais de 100 anos!) fez passar o recorde de 1,675 sucessivamente para 1,73, 1,75 e 1,82, marca que se manteve 23 anos como recorde, até que o futebolista-atleta Guilherme Espírito Santo passou 1,825 (havia medições a meio centímetro à época…), antes dos seus 1,85 e 1,88 de 1940, recorde que durou mais 20 anos. Os recordistas seguintes foram angolanos: Júlio Fernandes (1,88), Rui Mingas (1,88 e 1,90), novamente Júlio Fernandes (1,91 e 1,92), Avelino Mingas (1,93), Júlio Fernandes (de 1,94 a 1,98) – 11 recordes entre 1960 e 1963. E foi mais um angolano, Tavares Alves, quem, entre 1969 e 1970, conseguiu 2,00 até 2,05. Seguiram-se António Vermelhudo, de 2,06 (1976) a 2,12 (1980), Vítor Mendes e Paulo Palma (2,13 em 1980), Vítor Mendes (2,15 em 1981), José Lima (2,15 e 2,16 em 1987) e Luís Marto (2,16 em 1989). Passaram-se 12 anos até que surgiu Rafael Gonçalves a conseguir 2,17 (2001) e, depois, 2,20 (2002) e 2,21 e 2,23 (2007). E mais nove anos até surgir Paulo Conceição a conseguir 2,24 em pista coberta, recorde que se mantém desde 2016.

Júlio Fernandes é o mais internacional (17 vezes) e Fernando Esteves Costa o atleta mais vezes campeão nacional (10), neste caso seguido de Pascoal de Almeida, 8 vezes campeão entre 1914 e 1929. Tiago Pereira, recordista nacional sub’23 (com 2,21) obteve a classificação internacional mais relevante, ao ser 10º no Europeu Sub’23 de 2015. E detém a melhor marca nacional no Europeu de Seleções (2,20).

Como é evidente, nenhum português conseguiu ainda estar no top’10 europeu ou top’20 mundial do ano.

RECORDES NACIONAIS
Absolutos Paulo Conceição SL Benfica 2,24pc 2016
Sub’23 Tiago Pereira SL Benfica 2,21 2015
Juniores Victor Korst SL Benfica 2,20 2015
Juvenis Mário Aníbal GJ Chamusquense 2,08 1989
Iniciados Mário Aníbal GJ Chamusquense 1,99 1987
Infantis Sérgio Cruz SUO Vais 1,80pc 2010
OS + CAMPEÕES DE PORTUGAL
F. Esteves Costa 10 (1988-1999)
Pascoal Almeida 8 (1914-1929)
Júlio Fernandes 7 (1960-1966)
António Vermelhudo 6 (1971-1979)
OS + INTERNACIONAIS
Júlio Fernandes 17 (1959-1967)
Vítor Mendes 11 (1977-1986)
António Vermelhudo 10 (1971-1982)
RECORDES DOS CAMPEONATOS NACIONAIS
Absolutos Rafael Gonçalves CA Ovar 2,17 2001
Paulo Conceição SL Benfica 2,17 2016
Sub’23 Paulo Conceição SL Benfica 2,18 2015
Juniores Carlos Pereira J Vidigalense 2,12 2006
Juvenis Mário Aníbal GJ Chamusquense 2,07 1989
PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES NAS GRANDES COMPETIÇÕES
JO não houve participação
CM não houve participação
CE não houve participação
PORTUGUESES NA TAÇA DA EUROPA/EUROPEU DE SELEÇÕES
Mais presenças:
Rafael Gonçalves 6 (2001-2007)
António Vermelhudo 4 (1973-1977)
Paulo Gonçalves 4 (2006-2013)
Melhor marca: Tiago Pereira 2,20 (2015)
Melhores classificações:
Na Superliga: 12º Paulo Gonçalves 2009-2011
Na I Liga 3º Rafael Gonçalves 2005
3º Paulo Gonçalves 2008
3º Paulo Conceição 2017
PORTUGUESES NOUTRAS COMPETIÇÕES
Campeonato da Europa de Sub’23:
10º Tiago Pereira 2015
Campeonato do Mundo de Juniores:
15º Victor Korst 2014
Campeonato da Europa de Juniores:
10º Luís Marto 1985
FOJE (Festival Olímpico da Juventude Europeia)
10º João Almeida 2005
Jogos Mundiais Universitários/Universíadas
14º Paulo Pereira 2017

A seguir: salto com vara

(Este artigo ficará igualmente arquivado no site www.atletismo-estatistica.pt)

 

3 Comentários

Deixar Resposta