Apenas 25% dos atletas atingem o seu melhor no Mundial

0
1979

Sendo legítimo pensar que os atletas se apresentem na sua melhor forma nos grandes eventos internacionais como Jogos Olímpicos, Campeonatos Mundiais ou Europeus, a realidade é que são poucos os que conseguem as suas melhores marcas da época. Londres não fugiu a esta realidade. Em mais de 1.800 resultados de atletas e estafetas neste Mundial, menos de um quarto do total conseguiu a sua melhor performance do ano (SB-Season Best). E se considerarmos as melhores marcas da carreira (PB-Personal Best), a taxa de sucesso geral é de apenas 9,4%.

É fundamental que os atletas cheguem ao evento nas melhores condições físicas e psicológicas, mas também há fatores externos que influenciam no seu desempenho. O vento contrário prejudica e a chuva que caiu na última quarta-feira retirou qualquer hipótese de recordes nas provas disputadas naquele dia. Nas provas de pista, principalmente nos 3.000 m obstáculos femininos, percebia-se a cautela das atletas em evitar quedas. O mesmo no salto em comprimento feminino.

Há também o fator idade. Em algumas provas, observou-se uma lacuna entre veteranos e a nova geração. Nos 100 m masculinos, por exemplo, Justin Gatlin sagrou-se campeão aos 35 anos. Até fez a sua melhor marca no ano com 9,92 s, mas foi o quarto vencedor mais lento da prova em todos dos tempos. Ficou longe dos 9,74 s que alcançou no Mundial de Pequim, há dois anos. Dois dos principais nomes da nova geração de velocistas, Trayvon Bromell e Andre De Grasse, não competiram em Londres devido a lesões. Usain Bolt é a exceção, até mesmo numa classificação frustrante para si: desde 2008, ele conseguiu sempre o seu melhor tempo no grande evento do ano, seja Jogos Olímpicos ou Mundial.

No lançamento de martelo feminino, uma das poucas provas do programa em que havia expectativa de um novo recorde mundial, a favorita Anita Wlodarczyk ficou longe até da marca que obtivera uma semana antes do Mundial, 82,87m. Depois de um mau começo, recuperou para ganhar a medalha de ouro com 77,90 m. Ela justificou a quebra de rendimento com uma lesão no dedo no primeiro dia de treinos na capital britânica.

Eis a tabela:

Prova Partic. SB PB
100 m masculinos 60 8 10
100 m femininos 47 6 10
200 m masculinos 49 2 2
200 m femininos 46 4 1
400 m masculinos 55 6 5
400 m femininos 49 7 6
800 m masculinos 47 3 5
800 m femininos 45 8 4
1.500 m masculinos 42 1 2
1.500 m femininos 44 5 7
5.000 m masculinos 40 1 4
5.000 m femininos 32 4 10
10.000 m masculinos 24 20 14
10.000 m femininos 33 11 6
Maratona masculina 98 18 7
Maratona feminina 91 26 4
110 m barreiras 41 3 0
100 m barreiras 40 6 0
400 m barreiras masculinos 39 0 2
400 m barreiras femininos 39 5 2
3.000 m obst. masculinos 45 7 5
3.000 m obst. Femininos 41 9 2
Salto em altura masculinos 27 2 1
Salto em altura femininos 30 4 1
Salto em comprim. masculinos 32 1 2
Salto em comprim. Femininos 30 0 1
Triplo Salto masculinos 30 1 0
Triplo Salto femininos 26 4 3
Salto com vara masculinos 29 1 1
Salto com vara femininos 31 0 2
Lanç. do peso masculinos 32 2 0
Lanç. do peso femininos 30 1 0
Lanç. do disco masculinos 32 0 2
Lanç. do disco femininos 30 3 1
Lanç. do martelo masculinos 32 0 0
Lanç. do martelo femininos 32 3 0
Lanç. do dardo masculinos 32 1 2
Lanç. do dardo femininos 32 2 2
Marcha 20 km masculinos 64 13 12
Marcha 20 km femininos 60 14 14
Marcha 50 km masculinos 48 12 10
Marcha 50 km femininos 7 0 4
Decatlo 34 3 2
Heptatlo 31 2 4
4×100 m masculinos 16 10 0
4×100 m femininos 16 12 1
4×400 m masculinos 16 13 0
4×400 m femininos 16 14 1

Deixar Resposta