Benfica (7-3 em vitórias face ao Sporting) mais perto do título da I Divisão masculina

2
1013

(Foto arquivo AA Leiria)

O Benfica lidera a I Divisão masculina no final da 1ª jornada, com quatro pontos de vantagem (77-73), resultantes de 7 vitórias contra 3 do Sporting, reforçando o seu favoritismo, já que a 2ª jornada lhe é igualmente mais favorável. Na luta pelo 3º posto, o SC Braga segue com ligeira vantagem de 3,5 pontos (47,5-44) sobre a J. Vidigalense. Seguem-se Jardim da Serra (32), ADR Água de Pena (32), CA Seia (29) e GD Estreito (24).

Houve algumas surpresas nesta 1ª jornada nos despiques Benfica-Sporting: a vitória do Benfica nos 1500 m, através de Isaac Nader sobre Paulo Rosário (a prova ter sido tática foi-lhe favorável); a presença de Nelson Évora e a ausência de Marcos Chuva no comprimento, levando ao triunfo sportinguista… por um centímetro; e a presença (contra aquilo que diz o regulamento das competições, já “esquecido” na edição do ano passado com outros atletas…) do queniano Edward Zakayo pelo Benfica nos 5000 m (e certamente nos 3000 m da 2ª jornada). Com mais ou menos dificuldade, o Benfica ganhou ainda os 400 m (à vontade), o peso (mais “apertado” do que se esperaria), a vara (com susto) e o dardo (com algum azar de Leandro Ramos) e os 4×100 m (com boa vantagem sobre um Sporting desfalcado). O Sporting ganhou bem os 100 m (Carlos Nascimento), teve Nelson Évora decisivo no comprimento e ganhou naturalmente a marcha. Mas dificilmente evitará mais um título do Benfica.

Na luta pelo 3º lugar, o SC Braga conseguiu ser cinco vezes terceiro, contra três da J. Vidigalense, mas o equilíbrio deverá manter-se na 2ª jornada.

Vejamos, prova a prova, como foi.

100 metros: O Sporting começou bem, com uma “desforra” importante de Carlos Nascimento, que há uma semana havia sido derrotado pelo benfiquista Diogo Antunes no Campeonato de Portugal. Desta vez, Nascimento não deu hipóteses, ganhando com 10,39 (v:+0,4), contra 10,59 de Antunes. No outro despique clubístico para o 3º lugar, o SC Braga começou melhor que a J. Vidigalense: Edi Sousa foi 3º (10,93) e Wilson Martins 4º (11,01).

1500 metros: Prova muito tática e alguma surpresa no final, com a vitória do benfiquista Isaac Nader (4.09,49) sobre o sportinguista Paulo Rosário, campeão de Portugal (4.09,65). João Bernardo (J. Vidigalense) foi 3º (4.11,00) e o SC Braga (João Lopes) foi apenas 5º.

400 metros: O benfiquista Raidel Acea correu na pista 8 mas ganhou, como se esperava, com boa vantagem sobre o júnior sportinguista Omar Elkhatib (47,05-48,46). João Ferreira (SC Braga) foi 3º (48,94) e Milton Hassany (J. Vidigalense) 4º (50,34).

Comprimento: Surpresa na presença (que resultou!) de Nelson Évora e na ausência de Marcos Chuva (doente). E o Sporting acabou por ganhar, com Nelson e Ivo empatados no 1º ensaio (a 7,29) e Nelson a adiantar-se no 2º (7,58-7,45). Nelson fez depois dois nulos e Ivo melhorou depois para 7,45 e… 7,57, a um centímetro do sportinguista!  André Pimenta (J. Vidigalense) foi 3º, com 7,09, com o SC Braga apenas sexto.

Peso: O benfiquista Tsanko Arnaudov era franco favorito mas limitou-se a fazer 18,85 (e 18,37 noutro ensaio válido) e a diferença para o sportinguista Marco Fortes (18,38) foi bem menor que o esperado. Adriano Lopes foi 3º (15,97) e recuperou os três pontos de atraso que o SC Braga tinha relativamente à J. Vidigalense, apenas 6º nesta prova.

5000 m marcha: Vitória natural do veterano João Vieira (Sporting), com 19.38,60, bem à frente do benfiquista Miguel Carvalho (20.17,22). Bastante bem Rui Coelho (CA Seia), terceiro com 20.28,39. A J. Vidigalense (4º) adiantou-se ao SC Braga (apenas 8º).

Vara: Vitória esperada mas complicada do benfiquista Diogo Ferreira face ao sportinguista Rubem Miranda, que liderou até aos 5,20, por menos derrubes. Mas o campeão nacional passou 5,25 à primeira enquanto Rubem falhou e deixou os dois outros ensaios para os 5,30, que derrubou, enquanto o benfiquista passou à primeira. Diogo Ferreira tentou a seguir 5,45 (seria melhor marca do ano) mas não chegou a completar qualquer salto. João Pedro Buaró (GD Estreito) foi 3º com 4,90. O SC Braga (Tomás Marreiros) foi 4º/5º (4,40) e a J. Vidigalense (Duarte Eusébio) foi 6º (4,06).

4×100 metros: Vitória categórica do Benfica, com a melhor marca de clubes do ano (40,27), face a um Sporting desfalcado do lesionado Yazaldes Nascimento (40,55). O SC Braga foi 3º (42,32) e a J. Vidigalense 5º (43,20).

Dardo: Excelente prova de Leandro Ramos, com dois ensaios acima dos 70 metros (70,90 e 72,66) e um segundo ensaio à volta dos 75 metros anulado por ter pisado a linha por centímetros. Tiago Aperta (Sporting) acabou por ameaçar, com 70,23 a abrir e 71,77 a fechar. Apenas quatro centímetros separaram Tiago Pires (JV), 3º com 61,85) e Mário Marques (SCB), 4º com 61,81.

5000 metros: O queniano Edward Zakayo (Benfica) esperou pela última volta para arrancar e ganhar em (“descansados”) 14.17,41, contra 14.19,12 do sportinguista Eduardo Mbengani, que substituiu o esperado Hélio Gomes. Grande recuperação do SC Braga, através de Luís Saraiva, 3º (e que obrigou Mbengani a um sprint nos últimos metros) com 14.19,62, contra um 8º lugar da J. Vidigalense.

2 Comentários

  1. O atleta queniano é considerado não estrangeiro por ter menos que 18 anos. Confirma-se?
    Entretanto o vice do Benfica lançou ataques à “arbitragem” (juízes), ao certo qual a razão?

    • Pode ver a resposta à questão do atleta queniano em esclarecimento entretanto publicado.
      Obrigado pela sua participação

Deixar Resposta