Benfica condena comentários xenófobos e racistas de jornalista da RTP no Europeu de Berlim

3
2313

O Benfica condenou os comentários do jornalista da RTP, Luís Lopes, durante o Europeu de Berlim, particularmente as opiniões emitida acerca da naturalização de Pablo Pichardo durante a final do triplo salto que teve Nelson Évora como vencedor.

Em comunicado emitido no site oficial, é referido que “o clube critica veementemente este comportamento xenófobo e racista inaceitável”.

Comunicado do clube:

Os comentários de Luís Lopes sobre as incidências do Europeu de Atletismo, na RTP, colocando em causa a naturalização do atleta Pedro Pablo Pichardo, que detém a melhor marca do mundo em 2018 no triplo salto, assim como a sua postura discriminatória em relação aos atletas do Sport Lisboa e Benfica durante a competição de Berlim, são inqualificáveis e intoleráveis num canal público de televisão, ainda mais porque não são inéditas por parte de alguém que é encarado como “especialista”.

O Clube critica veementemente este comportamento xenófobo e racista inaceitável e irá formalmente denunciar junto da RTP esta atitude absolutamente deplorável que revela total falta de isenção e até de cultura desportiva.

Recorde-se que Pedro Pichardo foi impedido de participar no Campeonato da Europa pela IAAF e não pela Federação Portuguesa de Atletismo. A FPA, após um período de hesitação institucional, tudo tem feito nas últimas semanas para normalizar a situação competitiva de um atleta de enorme valia e reconhecimento internacional, que irá de encontro ao interesse nacional.

O SL Benfica está confiante que Pedro Pichardo tem todas as qualidades para levar o atletismo português a um patamar superior na disciplina do triplo salto.

Pichardo reage ao título europeu de Évora

Por outro lado, Pichardo impedido de participar no Europeu por decisão da IAAF, reagiu nas redes sociais à medalha de ouro conquistada por Nelson Évora: “Sem a minha presença é fácil. Campeão!”

Se há alguém que não tem culpa de Pichardo não ter estado presente em Berlim, é Nelson Évora. Sendo Pichardo português, ele devia estar contente por outro português ter ganho uma medalha de ouro!

3 Comentários

  1. É por demais conhecida a posição de Luis Lopes sobre estas naturalizações, aliás, quem seguiu os Europeus teve diversas oportunidades de ouvir. O problema é que este comunicado não é para os amantes do atletismo, mas para os acéfalos que seguem futeclubite, e que não fazem mínima ideia de quem é Luis Lopes, ou de comoo decorreu (e decorre) todo o processo Pichardo.
    Mais uma acha para a fogueira daqueles que, quando lhes interessa, dizem defender a paz no desporto.
    Quanto à publicação do luso-cubano, é apenas triste.

    PS: a decisão é da Federação Internacional, não Europeia

  2. Pode-se achar, e eu acho, o comentário do Pichardo muito infeliz.

    No entanto, como não entender a frustração de um atleta de topo que não só está impedido de competir, mas que, além disso, foi totalmente desprezado pela FPA que nunca lhe brindou o mais mínimo apoio até estas últimas semanas, em que enfim a Federação mexeu-se para obter a eventual inscrição do PPP nos Europeus?

    Isto não desculpa nada, mas aproveitar isso para atacar um atleta pondo em causa a sua lealdade ao país pelo qual acaba de ser naturalizado e pelo qual deverá competir daqui a uns meses ou anos, ao escrever que “sendo Pichardo português, ele devia estar contente por outro português ter ganho uma medalha de ouro”, é miserável. Não atinge a xenofobia do Luís Lopes, mas não estamos longe de isso não… Apenas revela a mentalidadezinha do autor deste triste artigo onde, nas três linhas da sua autoria, consegue produzir um comentário tão desprezável que não honra a sua profissão.

    Uma pena não terem publicado os ataques do Nelson Évora, ontem, que pôs em causa o facto de “comprar atletas” (como se fosse essa a situação do Pichardo) para formar com “os que cá estão”. Cabe lembrar-se que Nelson Évora nasceu na Costa do Marfim e chegou a ter recordes nacionais para o Cabo-Verde antes de tornar-se português. Desta feita, sendo também ele um português “de lá fora” (tal como os Tsanko Arnaudov, Francis Obikwelu, Lorene Bazolo e tantos outros…), o Évora deveria ter-se solidarizado com o futuro colega de seleção. Em vez disso, estamos numa situação única em que uma federação e a CS desprezam um atleta naturalizado que pertence ao Top 3 mundial da sua prova. Será até porque escolheu o Benfica? Será porque põe em perigo o mocinho mimado da FPA? Isto… só em Portugal!!!

    • Pedro Pichardo escreveu acerca depois do triunfo de Nelson Évora: “Sem a minha presença é fácil. Campeão!”
      Eu escrevi depois: “Se há alguém que não tem culpa de Pichardo não ter estado presente em Berlim, é Nelson Évora. Sendo Pichardo português, ele devia estar contente por outro português ter ganho uma medalha de ouro!”
      Hervé começou por escrever: “Pode-se achar, e eu acho, o comentário do Pichardo muito infeliz”.
      Parecia que Hervé estava de acordo comigo. Mas não. Porque depois diz que o que eu escrevi “… é miserável… Não atinge a xenofobia do Luís Lopes, mas não estamos longe de isso não…”
      Depois de ele ter dito que o comentário de Pichardo era muito infeliz, dizer o que disse de mim… parece que a bota não bate com a perdigota. Enfim, são considerações infelizes, despropositadas e ridículas que não mereciam que se perdesse mais tempo.
      Hervé é português? Pela maneira como ele ataca Nelson Évora, deve ter sido daqueles que chorou baba e ranho por o nosso campeão olímpico e mundial ser agora também europeu!
      Apenas reafirmo que como português, fico sempre contente quando outro português ganha uma medalha, seja em que modalidade for. Mais, a minha simpatia clubística não se identifica com os chamados três grandes do futebol nacional. Mas fico sempre satisfeito quando eles jogam com clubes estrangeiros e ganham. Pelo texto de Hervé, a forma como ele depois defende Pichardo e ataca Nelson Évora, só pode ser um daqueles acérrimos adeptos do Benfica que vibram com as derrotas dos rivais quando jogam com os estrangeiros.Português ele?
      Viva a medalha de ouro de Nelson Évora!

Deixar Resposta