Runporto recomenda uso obrigatório de máscaras nos primeiros 500 metros das corridas

0
598

Tal como acontece com as outras modalidades desportivas, as provas de atletismo estão paradas e não se sabe quando poderão ser retomadas.

Segundo divulgou o jornal “O Jogo”, a Runporto, a maior organizadora de provas no Norte do país, elaborou um extenso documento de 23 páginas com uma série de recomendações para as corridas que se venham a realizar nos próximos tempos.

Entre as recomendações desse estudo que teve o apoio de médicos, podemos encontrar:

– Obrigatoriedade de usar-se máscaras nos primeiros 500 metros da corrida. O atleta poderá depois ou não continuar a correr com a máscara. Terá sempre de as colocar depois em recipientes próprios, sob pena de desclassificação e irradiação.

– Partidas do pelotão em grupos de 100 corredores. 

– Medição da temperatura de todos os participantes.

– Funis na meta mais longos que o habitual, de forma aos atletas poderem manter a distância social.

– Obrigatoriedade de uso de máscaras e viseiras pelo staff da Organização.

– Desinfeção de barreiras e de casas de banho.

Se estas medidas entrarem em vigor, a Organização deverá colocar duas máscaras cirúrgicas no kit de participação, uma para o início da prova e outra para o seu final.

Lembramos que a primeira prova disputada nesta fase de pandemia na China teve cerca de mil participantes que partiram em grupo de 200 e com um intervalo de dois minutos. Houve ainda medição da temperatura dos concorrentes.

Mas se em provas de mil atletas por exemplo, não é muito demorada a partida em grupos de 100 ou 200 em cada 2 minutos (20 ou 10 minutos), torna-se mais complicada em provas como as das Pontes 25 de Abril e Vasco da Gama, com 20 mil ou mais participantes nas Meias/Minis Maratonas. Será que a solução é, nesta fase (até termos uma vacina?), haver um número limite muito mais reduzido de inscrições?

Enfim, para podermos voltar a ter corridas nos próximos tempos, seja na estrada (mais aqui) ou em trail, vão ser necessárias adaptações de acordo com a realidade atual. Esperemos que elas sejam aprovadas pelas autoridades e que sejam devidamente cumpridas pelos atletas.

Deixar Resposta