Os efeitos da corrida na coluna vertebral

0
233

Nesses atletas, corredores de fundo ou meio-fundo prolongado, a coluna vertebral está sujeita a muita pressão. Apesar de os atletas serem tipicamente melhor preparados, com alguma flexibilidade e maior limiar doloroso, a pressão sobre a coluna pode resultar em lesões, principalmente na região lombar pois anatómica e fisiologicamente, é a região na qual as vértebras recebem maior descarga de peso.

A dor lombar nos fundistas pode resultar de um evento isolado como um traumatismo. Porém, a causa mais frequente refere-se aos microtraumatismos de repetição. As estruturas que habitualmente são as causadoras das lombalgias incluem os discos vertebrais, as articulações, os ligamentos e a musculatura, apenas para citar alguns exemplos.

Os fatores de risco que contribuem para a ocorrência da lombalgia nesses atletas são:

1) Lesão prévia;

2) Amplitude de movimento diminuída;

3) Técnica de treino imprópria;

4) Aumentos abruptos no treino.

As formas mais brandas de lesão são as distensões musculares ou entorses. O seu diagnóstico é de exclusão, afastando assim outras causas anatómicas. São habitualmente resultado de forças excessivas nos extremos dos movimentos. O processo inflamatório pode ser visto como resultado destas e para evitá-las, o bom alongamento e a maleabilidade articular devem ser garantidos no período de treino. O tratamento inclui um breve período de repouso e a reabilitação da musculatura, devolvendo resistência e capacidade elástica por meio de sessões de fisioterapia.

A doença discal degenerativa refere-se ao processo de deterioração do disco vertebral, que é a mais comum observada em praticantes de atividades com descarga de peso excessivo.

O processo degenerativo do disco compreende três etapas e pode culminar com a formação de hérnias que por sua vez, além do quadro de lombalgia, acarreta também a dor associada à compressão de raízes nervosas (dor ciática). O tratamento conservador da hérnia do disco tem bons resultados e envolve períodos de repouso, associado ao fortalecimento da musculatura de sustentação da postura e dos músculos abdominais, sobrecarregando menos as costas.

Mais raramente, nesses atletas encontramos outra causa de dor lombar: a espondilólise – defeito no istmo da vértebra resultante de movimentos repetitivos em extensão do tronco. Essa falta de união das porções anterior e posterior da vértebra, por sua vez, pode levar ao escorregamento vertebral ou espondilolisteses. Habitualmente, essas alterações causam dor somente durante a atividade física, dor esta que tem carácter mecânico, ou seja, melhora com o uso de cintas abdominais ou mesmo, com o fortalecimento da musculatura e estabilização do tronco.

A dor lombar no atleta pode significar, assim, uma variedade de fenómenos desde lesões mais simples até acometimentos mais graves, que necessitem eventualmente de tratamento cirúrgico.

O atleta de endurance deve portanto, reger-se ao segredo de manter um equilíbrio dinâmico: boa flexibilidade, boa condição muscular e equipamento adequado à corrida de longa distância, podendo assim evitar os efeitos dos traumas repetitivos no sistema musculoesquelético.

(Artigo publicado numa edição em papel da Revista Atletismo pela Drª Maria Fernanda Caffaro)

Deixar Resposta