World Athletics condena eleição de Ivan Tsikhan na presidência da Federação de Atletismo da Bielorrússia

0
164

A Bielorrússia, juntamente com a Etiópia, o Quénia e a Ucrânia, está na lista de países com maior risco de doping na World Athletics. 

Ivan Tsikhan, de 44 anos, substituiu recentemente Vadim Devyatovskiy na presidência da Federação de Atletismo da Bielorrússia. Ambos, destacaram-se como lançadores do martelo e por terem sido apanhados nas malhas do doping.

Tsikhan perdeu a medalha de prata olímpica que havia ganhado em Atenas 2004 depois de um novo teste da sua amostra em 2012 desses Jogos ter detetado vestígios de esteroides anabolizantes proibidos.

“As federações membros conduzem as suas eleições de acordo com os seus próprios regulamentos nos seus próprios congressos, como entendemos ter sido feito neste caso”, disse uma porta-voz da World Athletics.

“No entanto, ninguém que tenha cumprido uma sanção de doping devia ser capaz de ocupar uma posição oficial nos órgãos ou estruturas do Atletismo Mundial hoje.”

[Acompanhe as noticias diariamente sobre saúde]

Como resultado do seu novo teste de 2012, Tsikhan também perdeu as medalhas de ouro que havia ganho no Campeonato Mundial de 2005 em Helsínquia e no Campeonato Europeu de 2006 em Gotemburgo. Tsikhan também quase perdeu o bronze olímpico que havia conquistado em Pequim 2008 após um teste positivo para testosterona, que o retirou da medalha antes de ser devolvida após um apelo devido a um erro cometido pelo laboratório na China que testou a amostra.

Devyatovskiy, também em Pequim, conquistou a medalha de prata e também testou positivo para testosterona, mas escapou com a mesma justificação. Então, o Tribunal Arbitral do Desporto alertou que isso não significava que eles tivessem sido inocentados de suspeitas.

Devyatovskiy já havia cumprido uma sanção por doping entre 2000 e 2002. Agora, deixou inesperadamente o cargo de presidente da Federação por “razões de saúde”.

Mas no mês passado ele postou uma mensagem na sua página do Facebook após a polémica reeleição de Alexander Lukashenko como presidente da Bielorrússia. Na mensagem, ele escreveu: “Lukashenko não é meu presidente !!!!!” e afirmou que o seu apoio anterior ao regime era uma “ilusão” e “traição a mim mesmo”.

Tsikhan voltou às competições a tempo do Rio 2016, onde conquistou a medalha de prata. Ele planeia competir nos Jogos Olímpicos de Tóquio, apesar de ter sido eleito agora para a sua nova função. A Bielorrússia, juntamente com a Etiópia, o Quénia e a Ucrânia, está na lista de países com maior risco de doping na World Athletics. 

 

Deixar Resposta