Yazaldes Nascimento, quase na final dos 100 metros, foi o melhor em tarde negativa

0
1991

Depois de uma excelente manhã para as cores nacionais, não foi feliz a tarde do 2º dia do Europeu de Berlim. A grande exceção foi Yazaldes Nascimento, a um centésimo da final dos 100 metros, embora os outros velocistas não tivessem estado mal. Mas Tsanko Arnaudov ficou fora do top’8 no peso (9º) e Samuel Barata desistiu nos 10000 metros.

Nas meias-finais de 100 metros, a nota alta vai para Yazaldes Nascimento, 3º na sua série com 10,22 (v:+0,6), a sua terceira marca de sempre, depois de 10,16 em 2015 e 10,21 em 2014, e que foi a nona das meias-finais, a um só centésimo do tempo do segundo e último repescado para a final, na qual Yazaldes seria, aliás, repetente, já que atingiu a corrida decisiva no Europeu de 2014 (foi 8º), então com a marca de 10,30 na meia-final. Carlos Nascimento também fez melhor que na eliminatória (10,33), ao ser sexto na 1ª série com 10,31 (v:+0,4), que seria o 13º tempo entre os 24 semifinalistas. Já José Lopes, sexto na 3ª série, fez 10,40 (v:+0,2), mais dois centésimos que na eliminatória e o 21º tempo entre os semifinalistas. Nas meias-finais, a grande figura foi o francês Jimmy Vicaut, que reparte com Francis Obikwelu o recorde europeu, com 9,86, e que bateu o recorde dos campeonatos, com 9,97 na 1ª série.

No setor feminino, Lorène Bazolo, embora tenha feito um pouco melhor que na eliminatória (11,51), foi 8ª na sua série com 11,46 (v:+0,3), marca ainda algo afastada da sua valia. O seu tempo foi o 19º entre as 24 semifinalistas, a melhor das quais foi a britânica Dina Asher-Smith, com 10,93.

Nas finais, a primeira sensação foi a não comparência de Jimmy Vicaut, lesionado no aquecimento. Domínio britânico, com os dois primeiros atletas masculinos, Zharnel Hughes, 5º no Mundial de 2015 e que repartia com Vicaut a melhor marca da época (9,91) e agora bateu o recorde dos campeonatos (9,95), e Reece Prescod, com 9,96; e, no setor feminino, a campeã Dina Asher Smith, com a melhor marca mundial do ano igualada (10,85), à frente da alemã Gina Luckenkemper, que igualou o recorde europeu sub’23, com 10,98.

Tsanko Arnaudov, embora tenha passado os 20 metros no peso, ficou aquém das expetativas, pois não conseguiu um lugar nos primeiros oito, o que acabou por limitá-lo, já que só teve direito a três lançamentos: 19,30 – 20,05 – 20,33. Precisava de ter feito mais cinco centímetros para continuar em prova. O alemão David Storl (21,41) falhou o quarto título consecutivo, sendo batido por dois polacos, que imitaram os seus colegas do martelo nas duas primeiras posições! Michal Haratyk lançou 21,72 (e ainda 21,66 e 21,50) e Konrad Bukowiecki bateu o recorde polaco sub’23 com 21,66.

Nos 10.000 m, triunfou o francês Morahd Amdouni (28.11,22), após cerrado despique com o belga (ex-Somália) Abdi Bashir (28.11,76), com o italiano (ex-Etiópia) Yemaneberan Crippa (28.12,15) e com o espanhol (ex-Marrocos) Adel Mechaal (28.13,78). Samuel Barata desistiu ao 8º km, quando seguia na 23 posição. Completaram a prova 32 atletas, tendo desistido cinco.

Na outra final da tarde, houve despique entre polacos no martelo. O tri-campeão mundial e campeão europeu, Pawel Fajdek, conseguiu 78,69 mas Wojcieh Nowicki, que somava terceiros lugares nas grandes competições dos últimos dois anos (Olímpicos, dois Mundiais, Europeus!), melhorou para 80,00 no segundo ensaio e para 80,12 no terceiro, marca que lhe deu o título e que fica a quase dois metros do seu recorde pessoal (81,85).

Os portugueses no 3º dia

Serão oito os portugueses no terceiro dia do Europeu, com destaque para a presença de Sara Moreira na final direta de 10.000 metros. Atenção especial, de manhã, para a qualificação do triplo, com Patrícia Mamona. São duas das medalhadas portuguesas no Europeu de há dois anos.

10.05 h – qual. triplo (F): Serão 29 as atletas a disputar os 12 lugares na final. Quem conseguir 14,05 ficará desde logo apurada. Susana Costa, com 13,90 como melhor esta época (27ª marca) e Lecabela Quaresma, com 14,01 (20ª marca), estarão no grupo A; Patrícia Mamona, com um melhor de 14,19 em 2018 (12ª marca), alinhará no grupo B.

10.30 h – elim. 400 m (F): Cátia Azevedo correrá na primeira das quatro séries (32 atletas), que apurarão as duas primeiras de cada, mais os seis melhores tempos para as meias-finais, às quais se juntarão as 10 já qualificadas (24 ao todo). Com 52,18, ela possui o 4º tempo da época entre as oito atletas da sua série.

18.30 h – meias-finais 400 m (M): Vítor Ricardo Santos estará na primeira das três séries (24 atletas), sendo apurados os dois primeiros e mais dois por tempos para a final. Com o recorde nacional de 45,55 na eliminatória, o atleta nacional tem o quarto tempo da época entre os oito da sua série.

19.40 h – final 10.000 m (F): são 26 as atletas inscritas, entre as quais Sara Moreira, com 31.12,93 como recorde pessoal (2º melhor tempo) e 32.10,50 esta época (2º tempo); Inês Monteiro, com 31.12,58 (4º) e 32.20,72 (7º); e Catarina Ribeiro, com 32.21,19 como recorde pessoal (13º) e melhor de 2018 (8ª).

AS FINAIS DO DIA

18.40 h – comprimento (M)

19.09 h – peso (F)

19.20 h – disco (M)

19.40 h – 10.000 m (F)

20.35 h – decatlo (M) – termina

Deixar Resposta