BALANÇO DA ÉPOCA 2017 – 100 M BARREIRAS (F)

0
2615

Marisa, Olímpia e Lecabela muito bem

  • … no melhor ranking de sempre

 

Excelente o nível dos 100 m barreiras – o melhor de sempre – com três atletas em particular evidência: Marisa Carvalho, nova campeã e recordista nacional júnior, Olímpia Barbosa, campeã sub’23, e Lecabela Quaresma, campeã de Portugal. Todas elas melhoraram os seus recordes pessoais, tal com o fizeram mais três juniores com tempos abaixo de 14,50. A média das 10 melhores marcas melhorou de 14,27 em 2016 para 14,00, batendo o recorde que estava em 14,11 desde 1995; e a das 20 melhores progrediu de 14,80 (em 2016) para 14,49, também a melhor de sempre (antes: 14,63 em 2014).

O PÓDIO

1ª MARISA CARVALHO (BENFICA)

Já se notabilizara nas barreiras de juvenis e, na sua primeira época como júnior, conseguiu logo 13,41, recorde nacional júnior e marca que a coloca como 6ª de sempre. Foi 6ª no Europeu de Juniores, com 13,51 na meia-final e 13,60 na final, e sagrou-se campeã nacional júnior com 13,27 ventosos. Para o êxito ser completo, só lhe faltou ganhar o Campeonato de Portugal, onde foi derrotada por Lecabela Quaresma (13,49-13,56 ventosos).

2ª OLÍMPIA BARBOSA (SPORTING)

Foi 6ª no Europeu de Sub’23, com 13,46 na meia-final (passou a 8ª de sempre) e 13,45 ventosos na final, progressos de 21 centésimos (!) face a 2016. Sagrou-se campeã nacional sub’23 com 13,39 ventosos e foi terceira no Campeonato de Portugal.

3ª LECABELA QUARESMA (BENFICA)

Melhorou o recorde pessoal de 13,63 para 13,56 num heptatlo na Rep. Checa, subindo a 12ª portuguesa de sempre. E sagrou-se campeã de Portugal com 13,49 ventosos.

A REVELAÇÃO: MARISA CARVALHO (BENFICA)

Não se pode dizer que tenha sido uma revelação pura, face ao que já prometia como iniciada e juvenil. Mas estreou-se nas barreiras de 84 cm da melhor forma, com recorde nacional de juniores e um 6º lugar no Europeu da categoria.

E AINDA…

Das cinco atletas que baixaram dos 14 segundos, apenas duas não registaram progressos: Andreia Felisberto (13,42 como melhor em 2012) conseguiu agora 13,81; e a ex-recordista júnior Eva Vital voltou a competir muito pouco e ficou-se pelos 13,96, bem longe dos 13.29 de 2013. Mas houve três outras juniores em bom plano: Catarina Queirós igualou os seus 14,19 e é 9ª júnior de sempre; Catarina Fernandes melhorou de 15,14 para 14,34 no decorrer do heptatlo do Europeu júnior e subiu a 13ª de júnior de sempre; e Bárbara Silva passou de 14,98 para 14,43 (19ª de sempre).

Veja aqui o ranking 2017

… e aqui o ranking mais aprofundado

 

 

 

 

 

 

Deixar Resposta